segunda-feira, 24 de Março de 2014 12:00h

Galo se volta para o Campeonato Mineiro

Em busca do tricampeonato mineiro, o Atlético enfrenta o América às 16h deste domingo, na Arena Independência, no jogo de ida da semifinal.

E o início da disputa por uma vaga na decisão do Estadual motiva os jogadores, que ressaltam a importância de conquistar o primeiro título em disputa na temporada. “Começar o ano ganhando título é importante, assim como foi o ano passado. Estamos firmes e fortes brigando pelo título mineiro e preparados para mais uma das decisões que vêm pela frente. Quando chega nessa fase do mata-mata, a gente sabe da nossa força. Temos tudo para estar na final do Mineiro e vamos em busca do tricampeonato”, disse o atacante Diego Tardelli.
O goleiro Victor também ressalta o desejo de conquistar o tri. “Clube grande como o Atlético, de torcida, de tradição, vive de títulos e os títulos trazem confiança. Então, nada mais importante do que você conquistar títulos e vitórias para sempre manter essa linha de confiança. O Estadual é importante e a gente vai lutar por isso, fazer de tudo para conseguir o tricampeonato, sabendo que temos duas partidas dificílimas contra o América. São clássicos contra um adversário tradicional, mas esperamos conseguir alcançar nosso objetivo”, comentou o arqueiro atleticano.
Segundo Victor, boas atuações na semifinal do Mineiro serão importantes para aumentar ainda mais a confiança do grupo. “Você tendo dois jogos decisivos e conseguindo uma classificação, as coisas passam a fluir de forma melhor. Temos jogo no domingo e, depois, uma semana para trabalhar, coisa rara no calendário. É uma sequência complicada de jogos decisivos, mas que todos aqui já estão acostumados. Tenho certeza que as coisas acontecerão da melhor forma possível”, destacou.
O goleiro concluiu frisando a necessidade de atenção total nos dois jogos da semifinal. “O América vem evoluindo, está em uma crescente e os jogadores de frente vivem bom momento, o Obina, o Tchô. Eles estão vindo de vitórias consecutivas difíceis e fora de casa, resultados que renderam uma classificação, então, temos que estudar muito bem o adversário para não sermos surpreendidos”.
O empate com o Nacional-PAR, no Independência, atrapalhou as pretensões do Atlético de repetir a campanha do ano passado terminando a fase de grupos da Copa Libertadores na primeira colocação geral. Agora, o time alvinegro poderá chegar, no máximo, a 14 pontos. Porém, mesmo que vença os dois jogos restantes, o Galo terá que secar os adversários dos outros grupos, além de subverter a média das últimas dez edições do torneio, quando a pontuação oscilou entre 15 e 16 pontos.
Apenas em 2008 o Fluminense avançou à fase final da Libertadores com menos do que a média: apenas 13 pontos – quatro vitórias, um empate e uma derrota. O Tricolor Carioca terminou a fase de grupos com a mesma pontuação que o rival Flamengo, mas ficou à frente pelo saldo de gols. Em outras oito temporadas, o time com a melhor pontuação atingiu 15 ou 16 tentos. O Santos, em 2007, venceu todas as partidas no seu grupo e foi o destaque com 18.
Com oito pontos, o Atlético lidera a sua chave e deve se classificar com facilidade. No entanto, a equipe precisará torcer, principalmente, contra o Santos Laguna-MEX, que já tem dez pontos e pode chegar aos 16. Atlético-PR, Vélez Sarsfield, Universidad de Chile e Grêmio também estão à frente do Galo na classificação geral e precisarão perder pontos nas duas rodadas finais.
Desta forma, o Atlético terá que buscar pontos fora de casa na próxima rodada, diante do Santa Fé, na Colômbia, se quiser continuar sonhando com a melhor campanha na fase de grupos. O empate com o Nacional, no Uruguai, serve de alento para o volante Pierre. “Nós fomos lá no Paraguai empatamos um jogo difícil, e agora temos totais condições de chegar na Colômbia e trazer um bom resultado”, observou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.