sexta-feira, 14 de Março de 2014 04:45h

Galo sofre empate e sai com sabor de derrota

O gol sofrido nos minutos finais que decretou o empate por 2 a 2 com o Nacional, no Paraguai, foi lamentado pelos jogadores do Atlético.

Com o resultado a favor até os 41 minutos da etapa complementar, o time alvinegro tentou administrar o placar, mas acabou castigado e perdendo os 100% de aproveitamento na Copa Libertadores. Substituído pouco antes da igualdade no marcador, Ronaldinho ficou com um gosto amargo pelo resultado, mas projeta a reação no Independência. “Tomar gol no final é sempre ruim. Agora é aproveitar os jogos que temos em casa, pois a gente sabe que lá sempre conseguimos coisas boas”, comentou o craque em entrevista à TV Globo, já vislumbrando o novo confronto com o Nacional, na próxima quarta-feira, no Horto, pela quarta rodada da fase de grupos da competição continental.
Seguindo a mesma linha do companheiro, o atacante Diego Tardelli também lamentou o empate no fim, mas preferiu destacar a importância do placar por causa do resultado do outro jogo do grupo, em que o Zamora venceu o Santa Fé, na Venezuela, por 2 a 1, e segurou o time colombiano. “Gostinho amargo pelo empate no final, já que a gente estava dominando a partida, mas, ao mesmo tempo, valorizando o que fizemos durante o jogo todo. Um ponto fora de casa é importantíssimo, ainda mais que ficamos sabendo do outro resultado, que nos ajudou”, declarou o camisa 9 em entrevista ao canal por assinatura Fox Sports.
Assim, ao término da terceira rodada, o Atlético ainda lidera o grupo 4, com sete pontos. O Nacional é o segundo, com quatro, enquanto Santa Fé e Zamora somam três pontos cada.
Para Tardelli, o Atlético está no caminho certo e uma vitória sobre o Nacional, na próxima quarta-feira, praticamente assegura o time nas oitavas de final. “A gente está tranquilo, temos que valorizar o que fizemos de bom neste jogo”, frisou o jogador lembrando que a equipe usará a força que tem em casa para buscar mais um triunfo. “No Independência, somos mais fortes, temos a nossa torcida, é um ritmo de jogo diferente do que foi aqui no Paraguai. Neste jogo não deu para ter uma velocidade, devido ao gramado, mas dentro dos nossos domínios a gente sempre faz o dever de casa”, acrescentou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.