sábado, 22 de Agosto de 2015 04:13h

Galo tenta de tudo para mudar os rumos da equipe dentro do Brasileirão

Desde que voltou de contusão, Marcos Rocha tem deixado a desejar e o mau desempenho do jogador chamou a atenção para a falta um substituto na lateral-direita

Líder de assistências da equipe no Campeonato Brasileiro, Patric poderia ser a solução, mas ele está afastado do grupo por ter assinado um pré-contrato com o Osmanlispor, da Turquia, e ainda segue com o futuro indefinido no clube, segundo informou nesta quinta-feira o diretor de futebol Eduardo Maluf.
Após o empate com o Figueirense, nessa quarta-feira, no Independência, pela Copa do Brasil, o técnico Levir Culpi admitiu o desejo de contar com Patric e disse que o caso teria novidades nesta quinta, o que não aconteceu. “O Patric tem um pré-contrato assinado. É um pedido do Levir, que gostaria de contar com o jogador. Infelizmente não tenho nada para falar. A pessoa que está no dia a dia, de fazer negociação, como aconteceu com o Giovanni Augusto. Tudo que a gente colocar, não vamos ganhar nada e a perda pode ser grande. Hoje não podemos colocar nada de Patric”, disse o dirigente.
Maluf alegou que a situação de Patric não é um caso isolado no Atlético. O dirigente lembrou-se de Giovanni Augusto, que estava em fim de contrato, entrou na Justiça contra o clube no início deste ano e ficou treinando separado do elenco. No entanto, o meia voltou atrás, renovou o vínculo e agora é um dos destaques da equipe. “Isso (afastamento) é uma norma interna do clube que serve para os 30 jogadores do elenco. Os atletas que entram para jogar estão em uma vitrine. Se eu não vou contar com esse jogador no fim do ano, não tenho interesse nenhum que ele jogue. Foi assim com o Giovanni Augusto, que ficou afastado e viu que tinha mais a perder do que a ganhar. Isso é uma determinação da diretoria. O jogador que não renovar com o clube a seis meses do fim do contrato estará fora”, ressaltou.
Reforços
Sobre novas contratações, Eduardo Maluf declarou que o Atlético não vai trazer qualquer jogador somente para 'dar satisfação' após as saídas de Maicosuel e Jô. “A vontade do Daniel (Nepomuceno, presidente) é de manter o time titular, o que é muito difícil no futebol brasileiro nos dias de hoje. Desde o início, o Levir coloca para nós que o importante é estar com o salário em dia. Conseguimos manter um grupo espetacular. Se aparecer qualquer reforço que a gente entenda que vai nos ajudar, temos condição de contratar. O que não podemos fazer é contratar para dar satisfação porque saíram dois. Os jogadores que têm sido oferecidos são abaixo dos que temos aqui. Mas se aparecer um nome bom de consenso entre o Levir, o presidente e o diretor, não se iluda que o Atlético tem condição de trazer”, finalizou.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.