segunda-feira, 15 de Fevereiro de 2016 12:28h Site oficial America-MG

GIVANILDO EXALTA PERSEVERANÇA, MAS QUERIA VITÓRIA MENOS SOFRIDA

Treinador americano citou as inúmeras chances de gols criadas e desperdiçadas pelo time americano no clássico contra o Villa Nova

O clássico entre América e Villa Nova neste domingo (14/2), na Arena Independência, foi eletrizante. O time americano abriu o placar com 19 segundos de jogo, sofreu o empate quase no final do segundo tempo, mas conseguiu a vitória de forma heroica já nos acréscimos da partida. Porém, o técnico Givanildo Oliveira entende que o triunfo americano deveria ter se consolidado mais cedo pela quantidade de gols perdidos.

Givanildo destaca que sua equipe comandou a partida e criou chances e mais chances de gols, que acabaram sendo desperdiçadas. Por outro lado, ele reconhece a perseverança dos jogadores americanos e exalta a vontade de seus atletas em lutar pela vitória até o último instante da partida.

“Nós poderíamos ter tido um alívio ainda no primeiro tempo pelo volume de jogo que nós tivemos. Poderíamos ter saído já com 2 a 0. No segundo tempo, então, foram duas bolas na trave, o Tiago Luís e o Osman ficaram de cara com o goleiro e perderam. Foram várias situações de gols e nós poderíamos ter sossegado bem antes e não acontecer apenas no final. Mas quem tem perseverança, quem insiste e não desiste consegue o resultado e nós conseguimos”, analisa.

O treinador também avalia que o clássico foi uma grande partida, mas afirma que um resultado diferente da vitória americana seria injusto, pelo volume de jogo apresentado pelo Coelho.

“Foi um grande jogo, um jogo difícil. Nós tivemos o tempo todo com a bola, criamos várias situações e, de repente, em um chute longo eles terminaram acertando. E aí era 1 a 1 depois de você fazer tudo que fez na partida. Mas futebol é assim. Podia ter saído o empate que não seria justo, mas no futebol acontecem essas coisas”, pontua.

 

Antes da partida contra o Villa Nova, o discurso dos jogadores americanos era de que o jogo seria uma decisão, o que era compartilhado por Givanildo Oliveira. Citando a importância da vitória deste domingo, o técnico explica que todo o elenco americano tem consciência de que o Estadual é uma competição curta e afirma que um empate com o Villa já complicaria a situação do América no campeonato.

“Os jogadores sabem que não tem returno, são 11 jogos e nós já fizemos três. Então, até o empate, era ruim para nós pela situação do Villa, que estava com 6 pontos e fazendo um iria para 7, e nós ficaríamos fora dos quatro. Então era necessário, principalmente depois do último jogo, ganhar essa partida que foi praticamente uma decisão. E nós fizemos por merecer pelo o que nós apresentamos”, conclui.

 

Os jogadores americanos não terão muito tempo para descanso após a emocionante vitória no clássico contra o Villa Nova. O elenco se reapresenta na tarde desta segunda-feira (15/2), às 16h, já se preparando para o próximo desafio contra o Flamengo em partida válida pela Copa da Primeira Liga. O jogo contra a equipe carioca será na quarta-feira (17/2), às 21h45, na cidade de Cariacica, no Espírito Santo, pela segunda rodada do Grupo C.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.