sexta-feira, 24 de Outubro de 2014 04:47h

Gol no final valeu muito para a manutenção da larga vantagem no Brasileirão

Depois de ver o Cruzeiro assegurar um empate por 1 a 1 com o Palmeiras graças a um gol marcado por Dagoberto

Depois de ver o Cruzeiro assegurar um empate por 1 a 1 com o Palmeiras graças a um gol marcado por Dagoberto, aos 47 minutos do segundo tempo, nesta quarta-feira à noite, no Mineirão, o técnico, Marcelo Oliveira, fez questão de valorizar o ponto somado pela equipe da casa, que chegou aos 60 pontos na liderança do Campeonato Brasileiro.
Embora não tenha conseguido aproveitar o fator campo para vencer, o time cruzeirense se manteve sete pontos à frente do vice-líder São Paulo, que nesta quarta não passou de um 0 a 0 com a Chapecoense, em Chapecó. Até por isso, Marcelo Oliveira enumerou motivos para exaltar o fato de que a equipe mineira ao menos evitou o que esteve muito próximo de se tornar uma derrota diante dos palmeirenses. "Em um jogo como esse, é muito importante fazer o primeiro gol para destruir essa postura defensiva do adversário. Tomamos um gol no período em que mais estávamos atacando, mas felizmente conseguimos o empate. Pelas circunstâncias e pela diferença, esse ponto se torna importante", afirmou o comandante do Cruzeiro.
O fato de Dagoberto ter feito o gol de empate após ter substituído o volante Henrique também foi um alívio para Marcelo Oliveira, pois após a substituição, feita aos 29 minutos do segundo tempo, a equipe cruzeirense ficou mais exposta no setor defensivo e acabou levando um gol aos 43, antes de conquistar a igualdade aos 47.
"Quanto ao nosso time, prefiro ter uma postura ofensiva, marcando, martelando, tentando o gol, do que ficar atrás. A nossa postura sempre foi de atacar e por isso estamos com essa vantagem de pontos na liderança do Campeonato Brasileiro. Prefiro arriscar mais do que ser moroso, conservador, sem apertar o adversário", ressaltou Marcelo, que ao mesmo tempo não deixou de lamentar a incompetência ofensiva do seu time no duelo desta quarta. "Tivemos mais finalizações e mais posse de bola. Criamos muito, não foram oportunidades muito claras, mas rondamos a área deles o tempo todo. Infelizmente, a bola não estava entrando", analisou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.