quinta-feira, 4 de Dezembro de 2014 04:22h Atualizado em 4 de Dezembro de 2014 às 04:31h. Luciano Eurides

Guarani faz testes físicos no segundo dia de treinos

O Guarani de Divinópolis inicia os trabalhos em campo

O primeiro compromisso é uma análise da condição física de cada jogador. Juntou-se ao grupo o zagueiro Marx Ferraz, de 26 anos. Ele jogou no Guarani e também no Crac de Goiás. Até o final de semana deve chegar o atleta Djalma, que estava na Portuguesa.

O primeiro trabalho é voltado para a parte física. Claudinei Afonso, preparador físico do Guarani, já planeja cuidadosamente os trabalhos. “Temos de tomar o certo cuidado nesse início de temporada, especialmente nesse mês de dezembro, já que a competição começa em fevereiro. Esse é mais introdutório tanto na parte física quanto na parte tática e janeiro apertamos mais e assim entra na pré-temporada, chegando em fevereiro, início da competição, mas preparados”, avaliou.

Com relação à atual situação dos atletas, o preparador físico avalia que é normal estarem um pouco acima do peso. “Esse tempo parado, cerca de 30 ou 40 dias, é importante. Chamamos de destreino. Eles ficam acima do peso e perdem muito rápido. Eles conseguem ajustes graças à rotina e determinação”, garantiu.

O zagueiro Marx Ferraz chegou e já foi para campo com os companheiros. Ele já conhece a cidade, o campo, e conta ter atrasado apenas por conta da viagem mesmo. “Importante que voltou uma base que jogou esse ano. O pessoal chega somando e acrescentando para fazermos uma temporada ainda melhor. Mesmo sendo um retorno, temos um tempo de adaptação. Como temos remanescentes, é mais rápido essa adaptação e fácil também. Se olharmos as equipes em desempenho nacional, se espera um ótimo campeonato, cada vez mais forte e futebol é dentro das quatro linhas e tudo irá se decidir dentro do campo. Para o atleta é mais visibilidade e grandes atletas se destacam em jogos bons, para o jogador nada melhor que um bom jogo”, declarou.

O também zagueiro Tiago Papel conseguiu um título, um acesso e uma vaga na Série D pelo Coruripe, de Alagoas. Espera-se dele o mesmo desempenho vestindo a camisa do Guarani. “O professor vai conduzindo o grupo, deixei o time na Copa do Brasil e Copa do Nordeste em 2015. Para a equipe é importante e espero trabalhar muito e colocar o Guarani onde ele merece”, considerou.

Nesta quinta-feira, trabalhos em dois períodos, sendo na parte da manhã o início às 9h e à tarde às 16h.

 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.