terça-feira, 31 de Julho de 2012 14:36h Luciano Eurides

Guarani perde e fica distante da classificação na série D do Brasileiro

A presença do Guarani na série D é uma grande conquista para a cidade e uma novidade também. Tudo muito novo para a torcida, imprensa, comissão técnica e diretoria.

O Guarani entrou em campo no último sábado para a mais importante partida dentro da série D do Campeonato Brasileiro. Além de um clássico do centro Oeste, Guarani e Nacional representava a sequencia na busca por uma vaga na segunda fase. O jogo foi ruim, o zagueiro Negretti fez um gol contra e o time de Nova Serrana levou os três pontos.

 


Foi uma partida de muitos passes errados e quase nenhuma emoção. Os erros de ambos os lados e o Guarani levou a pior, o jogador Negretti ao tentar recuar a bola para Tiago Braga, a tirou do alcance do arqueiro e fez o único gol do jogo, isso ainda no final do primeiro tempo. Nos minutos finais da segunda etapa o goleiro Glaysson fez duas defesas difíceis e manteve o Nacional vivo na briga pela vaga na próxima fase.

 


Com a derrota o Guarani praticamente deu adeus às chances de classificação na Série D. A partida valeu mesmo pela dedicação e empenho das torcidas Guaragolo e Red Bugre, do Mauricio K-tispero  e todos integrantes que mesmo o time não jogando bem, perdendo, e até o apito final do árbitro cantando e apoiando. Outra notícia boa foi a estreia de Esquerdinha, mas queria o resultado positivo. “O goleiro deles (Glayssson) foi muito feliz nas defesas e levantar a cabeça, ainda temos três jogos, o que não podemos é achar que não dá mais”, garantiu.

 


O jogador Ivan falou da situação do Bugre. “Em todos os jogos tivemos duas ou três oportunidades claras de fazer os gols e em uma competição praticamente mata-mata, se sai atrás fica complicado. Agora é terminar com dignidade. A motivação tem de ser natural, profissional, honrar as cores do Guarani”, disse.
Para o treinador Gian Rodrigues se motiva nos nove pontos a serem jogados. Confia nos profissionais de futebol. “Não fizemos um grande jogo, mas o resultado foi totalmente injusto pelas chances de gol, qualquer jogo quem erra menos tem a chance de ganhar. A mudança vem pelo fato do cartão, optei em colocar um zagueiro canhoto, o Robert não se comportou da maneira que ele se comporta, e Esquerdinha é um jogador de arremate a gol, forte com a perna esquerda, não aconteceu o chute, mas espera que ocorresse”, falou.

 


O técnico resistiu, e ainda comentou sobre o futuro dele. “Eu penso que o trabalho não encerrou, poderia ter largado o Guarani pelo menos por seis oportunidades. Estamos fazendo um trabalho muito bom, em nível de pontos não é o que a gente quer, mas perguntas têm de serem feitas a outras pessoas também e as dificuldades que enfrentamos. Nunca vou expor atleta e confio que ganho nove e não venci hoje, e em todos os jogos não merecemos os resultados. Se o Guarani não foi superior, foi no mínimo igual. Se o Friburguense é líder, é porque está junto há mais tempo. O Nacional é o maior investimento da chave, contratou, reforçou e não parou. O Aracruz é o campeão do Espírito Santo e sobram Volta Redonda e Guarani que se montaram por último. Não é desculpa, porque produzimos no campo para ser diferente. Falta fazer gol e parar de tomar gol bobo, óbvio”, declarou.

 


O Volta Redonda respira na competição. No domingo, a equipe do Sul Fluminense derrotou o Aracruz (ES) por 1 a 0, com gol de Rafael Amoroso, no Raulino de Oliveira, em duelo válido pela quinta rodada do Grupo A6 da Quarta Divisão. Com o triunfo diante da equipe capixaba, o Volta Redonda foi a quatro pontos e assumiu a quarta posição da chave. O Aracruz segue em terceiro com seis pontos.

 

 

PERSISTÊNCIA

 


A presença do Guarani na série D é uma grande conquista para a cidade e uma novidade também. Tudo muito novo para a torcida, imprensa, comissão técnica e diretoria. Seja qual for o resultado final ver o Bugre no cenário nacional, pensando grande, já é satisfatório.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.