sexta-feira, 16 de Março de 2012 19:31h Atualizado em 17 de Março de 2012 às 10:25h. Luciano Eurides

Guarani vai para Uberaba com muita confiança na bagagem

O Guarani enfrenta o Uberaba no Triangulo Mineiro, no próximo domingo, 16h. a partida vale pela sétima rodada da fase de classificação do Campeonato Mineiro. Os jogadores do Bugre não pensam em outro resultado senão a vitória. A equipe deixa a cidade hoje, ás 7h da manhã.
O time bugrino iniciou os trabalhos da sexta assistindo um vídeo do adversário e logo depois foi realizado um treino coletivo onde a equipe titular foi a mesma de quinta feira, com Tiago Régis, Carlinhos, Bruno Maia, Márcio Santos e Magalhães. André, Michel Elói, Léo Medeiros, Walter Minhoca e Chico Marcelo. Marinho a frente completou a formação inicial do coletivo. O esquema é 4-5-1 quando a bola está nos és do adversário. Com a posse de bola os laterais viram ala e vezes Léo Medeiros outra Michel Elói se transformam em terceiro zagueiro e Marinho se aproxima do meio campo e Walter Minhoca juntamente com Chico Marcelo avançam fazendo um 3-4-3.
Para o jogador Magalhães não vê problemas em atuar como lateral. “Onde o professor optar em me colocar estarei jogando. Onde ele achar que posso estar ajudando farei meu melhor. Acredito que temos de fazer nosso trabalho e buscar o resultado positivo”, falou e sobre o vídeo apresentado ele garante ter sido útil. “O professor passou umas coisas uteis para nosso trabalho”, declarou.
O jogador Ivan, está a algumas semanas pleiteando nos treinamentos a titularidade, nas partidas em que jogou se mostrou eficiente em mais de uma função e comenta essa situação vivida. “Todos queremos jogar, o mais importante é quando ser solicitado ajudar a equipe. Eu trabalho no dia a dia para quando chamado corresponder, com minha experiência de meia e volante, sei a hora certa de fazer o pedido do treinador”, declarou com razão, na partida contra o democrata ele essencial quando a substituição de Michel Elói por Ely Tadeu. Ivan foi o ponto de moderação dos atletas com características completamente diferentes. “Um pouco disso, acaba assimilando dentro de campo o que é necessário fazer. Sentindo isso dentro de campo, ter a confiança em executar o que é necessário, se necessário para alcançarmos nossos objetivos assumo sim o papel de coringa desse time”, avaliou.

Despedida
Quem deixa o Guarani e volta para a Coreia é o atleta Jun Ho Park, que ganhou o apelido de Kaká. O jogador de 23 anos está no Brasil desde 2006, vivenciou o dia a dia de vários clubes como Cruzeiro, Francana, Bahia, Guarani, Social, Tombense e Itaúna. Ele certamente deixará saudades, mas vislumbra um futuro melhor para a carreira e garante que vai sentir falta do Brasil. “Estou triste, aqui também considero o grupo do Guarani uma família. Eu gostei muito do futebol do Brasil, eles tem muita tranquilidade e aprendi muito, também sobre o valor da amizade. O Marinho é um irmão, sentirei muita falta de todos. Eu tenho certeza que o fato de jogar bola dando risadas com os amigos é o que mais sentirei falta. Conheci Léo Medeiros, Chico Marcelo, Alan Miguel, meu parceiro, e nem ficarei falando muito, senão vou chorar”, disse já emocionado.

PROERD
Na partida contra o Democrata, o Guarani entrou em campo usando uma camisa do Proerd, um programa da Policia Militar cujo objetivo é a educação para a prevenção a drogas. Com instrutores capacitados, o programa tem total aceitação pelo grupo docente das instituições escolares. Para os alunos é um conhecimento adquirido para toda a vida.
O esporte é parceiro do Proerd, pois educação, saúde e lazer é o objetivo geral. Alguns, como os atletas do Guarani tem o esporte como profissão, e muitas crianças tem o sonho de alcançar esse patamar. O Proerd é essencial para a droga não destruir os sonhos de nossas crianças.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.