quinta-feira, 22 de Setembro de 2016 16:47h América/MG

Invicto no gol americano, Fernando Leal fala da amizade com João Ricardo e elogia treinadores

No América há quase três anos, o goleiro Fernando Leal teve a oportunidade de mostrar sua qualidade e experiência na meta americana em apenas 16 oportunidades. Contratado em 2014, o goleiro viu o companheiro João Ricardo crescer bastante, tomar a titularidade da posição e se tornar um ídolo da torcida americana.

Mas sempre que necessário Leal está pronto para substituir o titular a altura. Foi assim na última segunda-feira (19/9), na vitória do América por 1 a 0 sobre o Internacional, na Arena Independência, quando João Ricardo sentiu dores no tornozelo e foi cortado da partida no aquecimento. Leal enfrentou a chuva e o forte ataque do time gaúcho e mostrou qualidade e segurança no gol e não deixou passar nada.

Foi apenas a segunda partida do goleiro reserva na temporada, que já havia substituído João Ricardo contra o Bahia, pela Copa do Brasil, no duelo que terminou em 0 a 0. Sem sofrer gols nas duas únicas vezes que entrou em campo pelo Coelho, Fernando Leal destaca que o bom rendimento é fruto do trabalho árduo do dia a dia.

O goleiro revela  que encara os treinamentos como se fossem jogos oficiais e garante que estará pronto para ajudar o América, caso seja preciso no sábado (24/9), contra o Botafogo.

“Fui feliz nas duas partidas e a gente trabalha sempre para isso. Foram dois jogos apenas, mas quando a gente entra no jogo, procuramos fazer aquilo que fazemos nos treinamentos. E todos os nossos treinamentos são como se fossem um jogo para sempre que precisar aconteça o que vem acontecendo. Graças a Deus vem dando resultado. Foram poucas as vezes, mas quando precisou eu pude ajudar a equipe. Se for precisar contra o Botafogo caso o João (Ricardo) não se recupere a tempo, estou pronto para ajudar a equipe e, se possível, sem tomar gol novamente”, garante Leal.

LIDERANÇA

Apesar das poucas chances de atuar, Fernando Leal é um dos líderes do grupo. De personalidade forte, o goleiro é um profissional exigente consigo mesmo, para se manter em alto nível. Ele elogia o trabalho realizado pelos preparadores de goleiros Sílvio Jardim e Aílton Serafim e diz conversar com os preparadores para que treino seja encarado como um jogo, pois isso é algo que é refletido dentro de campo.

“A gente vem trabalhando, esperando a oportunidade. Então, quando a gente entra no treinamento é o que eu sempre falo com Sílvio (Jardim), preparador de goleiros: ‘Sílvio, o treinamento para nós tem que ser um jogo, porque se ficarmos acomodados, quando entrarmos não vamos conseguir fazer o que é preciso’. O reflexo do treino entra no jogo. Então é nisso que a gente cobra bastante e temos que dar todos os méritos ao trabalho do dia a dia dos nossos preparadores de goleiros”.

AMIZADE

Após a partida contra o Internacional, Fernando Leal foi recebido por João Ricardo na saída do campo e recebeu um forte e sincero abraço de parabéns pela boa atuação. Leal observou que a amizade entre os goleiros é algo importante para a rotina de treinos e que o companheirismo existe entre ele e João Ricardo desde a chegada dos dois ao América.Na época, Fernando Leal começou como titular devido a uma contusão de João Ricardo em um treino. Só que Leal foi tão bem que mesmo após se recuperar da lesão João Ricardo ficou na reserva. Depois, quem sofreu uma lesão foi Fernando Leal. O substituto João Ricardo, desde então, não saiu mais do gol.

“O que mais importa dentro do trabalho no dia a dia é a amizade. Aqui, no América, já são quase três anos juntos com o João Ricardo. Da mesma maneira que eu torço muito para que ele faça boas partidas, ele fez questão de esperar o jogo acabar. Ele poderia muito bem assistir ao jogo em casa, porque estava chateado. Mas ficou e me deu o maior apoio, me parabenizando após a partida. Eu creio que ele ficou tão feliz quanto eu após o jogo, principalmente por toda a equipe saiu vitoriosa”, completa o goleiro.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.