quinta-feira, 14 de Julho de 2011 13:40h Luciano Eurides

Joel quer grupo completo

O técnico Joel Santana começou a semana comemorando o fato de já poder contar com alguns atletas que foram liberados pelo departamento médico (DM) do Cruzeiro, como o zagueiro Léo e o lateral-esquerdo e meia Gilberto. Antes, o treinador já teve a chance de contar com o meia Roger. Atualmente, apenas o volante Henrique (com uma fratura no punho da mão direita) e o lateral-esquerdo Diego Renan (com um estiramento na coxa direita) estão entregues ao DM.


Para o jogo de domingo, contra o Bahia, às 18h30, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, o comandante cruzeirense não poderá contar com o zagueiro Gil, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Neste momento, Joel quer aproveitar a chance de trabalhar com o máximo de jogadores possível para, assim, ter mais opções de escalar o time. “É importante a gente conseguir colocar todos esses jogadores para participar da competição. Na realidade o nosso grupo tem oscilado muito, nós temos repetido muito pouco, eu já estou sentindo, as escalações que nós gostaríamos de programar para os jogos. É importante todos os jogadores estarem em condições e a gente poder escalar o que temos de melhor no momento. Realmente temos jogadores experientes, mas temos que colocar em prática”, comentou o treinador.


Com muitas opções para formar a equipe titular, Joel não esconde a sua satisfação pela ‘dor de cabeça’ que tem, com várias opções de atletas em alguns setores da equipe. “Só tem 11 (vagas). Se eu puder jogar com 12, 13, 14 ou 15... aí fica fácil demais, não é? (risos). Por isso que a condição de técnico é assim, eu estou aqui para isso, para resolver as situações que acontecem. Tenho que estar com os jogadores prontos, em dia, em condições principalmente física e técnica. Quando todo mundo estiver em condições, aí é ali dentro (no campo) que resolve”, avisou o treinador, deixando claro que os atletas é quem se escalam nos treinamentos diários na Toca II. “O futebol não se ganha com a boca, com a experiência. Futebol se ganha é com futebol, colocando para treinar e, dentro da produtividade, e com qualidade, a gente procura colocar o melhor para jogar. Tendo todos os jogadores é melhor, pois você pode diversificar a maneira de jogar. Que bom que todos estão voltando, que vai me dar mais condições de ter uma dorzinha de cabeça a mais, no bom sentido, é claro”.
 

Questionado sobre o Bahia, próximo adversário, que tem conseguido bons resultados jogando fora de casa, Joel Santana diz que está preocupado é com a oscilação do Cruzeiro, como aconteceu na última partida, e alerta para o Cruzeiro não ser surpreendido dentro de casa. “Se nós jogarmos como jogamos contra o São Paulo, principalmente. Jogamos bem nos primeiros 10 ou 15 minutos, depois jogamos muito mal e, depois que tomamos o segundo gol, voltamos a jogar bem lá pelos 25 minutos. Não podemos oscilar. Se você me perguntar sobre o jogo, eu fiquei aborrecido pelo resultado, pois a equipe facilitou muito em pontos principais em que você não pode dar oportunidade ao adversário. Principalmente jogando contra um time que estava machucado, vinha de três derrotas, um time de porte. Então, nós começamos em um ritmo muito bom, não mantivemos o ritmo e, com isso, sofremos uma derrota que não foi boa para nós, já que estávamos em uma batida muito grande (três vitórias seguidas)”.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.