quinta-feira, 30 de Abril de 2015 10:19h

Levir Culpi aguarda departamento médico para escalar a equipe

Após o meia-atacante Guilherme ser vetado para o segundo jogo da final do Campeonato Mineiro contra a Caldense, domingo, em Varginha, fica a expectativa sobre os retornos de outros dois titulares:

o lateral-direito Marcos Rocha e o zagueiro Leonardo Silva. O médico Rodrigo Lasmar avaliou as chances dos atletas estarem à disposição do técnico, Levir Culpi, já no próximo fim de semana.
Marcos Rocha sofreu entorse no tornozelo direito há pouco mais de duas semanas, no empate com o Cruzeiro pelo jogo de ida das semifinais do Campeonato Mineiro, no Independência. Leonardo Silva, por sua vez, também se contundiu na mesma partida e deixou o gramado reclamando de dores musculares na coxa direita.  “O Léo, semana passada, já vinha evoluindo. O que nos mostra que o Léo vem bem é que ele vai passando pelas etapas e superando sem nenhum desconforto, sem dificuldades. Começa a correr, vai fortalecendo, trabalha com bola. Está previsto para ele amanhã [quarta-feira] um trabalho físico. Ele não sentindo nada, deve fazer pequenos jogos na quinta-feira. Tudo correndo bem, tem o coletivo na sexta. Isso vai credenciando ele para jogar no fim de semana, se o Levir entender dessa maneira”, afirmou Rodrigo Lasmar em entrevista à Itatiaia.
De acordo com o médico alvinegro, o lateral-direito está em um patamar inferior de recuperação em relação ao companheiro, mas ainda não está vetado. “O Rocha vem se recuperando, talvez um pouquinho mais lento do que o Léo. Hoje ainda fez trabalho na fisioterapia, não fez trabalho físico, mas ainda com chance de jogar domingo. Tudo depende de como responder amanhã [quarta-feira] na preparação física, quinta-feira nos trabalhos com bola. Não está descartado do jogo de domingo”, ressaltou.
O Atlético vai precisar melhorar o desempenho como visitante no Campeonato Mineiro para ser campeão estadual 2015. O time alvinegro encerra a participação no campeonato no próximo domingo, em Varginha, contra a Caldense. Como não conseguiu vencer a Veterana no Mineirão, no jogo de ida, o Galo tem a obrigação de vencer fora casa.
O problema é que o time não engrenou como visitante na atual temporada. Considerando somente o Estadual, o Atlético disputou sete partidas, venceu três, empatou uma vez e perdeu outras três. Em 21 pontos disputados, conseguiu apenas dez, desempenho que representa 47% de aproveitamento.
Das três derrotas sofridas como visitante, duas foram para clubes do interior e uma para o América. Coincidentemente, o Atlético perdeu por 1 a 0 para a Caldense, em Poços de Caldas. Na última rodada da primeira fase, o time esteve em Varginha, local da final deste domingo, e caiu diante do Boa Esporte pelo placar de 2 a 0.
Para o lateral esquerdo Douglas Santos, o time terá muito trabalho para superar o esquema defensivo da Caldense, que sofreu apenas quatro gols na competição. Apesar de atuar fora de Belo Horizonte, ele considera o estádio Melão um campo neutro. A Caldense não pode jogar em Poços porque o estádio Ronaldão não tem capacidade para receber mais de 10 mil torcedores. “É um campo neutro e as duas equipes vão brigar para saber quem será a campeã”, disse Douglas. “A equipe deles é bem postada em campo. Fecham bem com uma linha de seis (jogadores). Acho que eles trabalharam muito para marcar nossa equipe (no Mineirão). Agora vamos trabalhar para furar esse bloqueio”, destacou.

Libertadores
A fragilidade como visitante também ocorreu na Copa Libertadores. Foram duas derrotas – para Colo-Colo e Atlas – e uma vitória – sobre o Santa Fé.
Um alento para a torcida do Atlético é que o time respondeu bem nos momentos de decisão fora de casa. Pela Libertadores, venceu o Santa Fé no jogo de vida ou morte. No Estadual, eliminou o Cruzeiro com uma vitória por 2 a 1 em pleno Mineirão.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.