terça-feira, 24 de Fevereiro de 2015 11:11h Atualizado em 24 de Fevereiro de 2015 às 11:15h.

Levir Culpi volta a reclamar de 'falta de espírito' do Atlético

O técnico Levir Culpi parece mesmo insatisfeito com a forma como os jogadores do Atlético têm se portado em campo

Depois de reclamar da falta de espírito de seus comandados na derrota para o Colo-Colo quarta-feira passada, pela Libertadores, o treinador fez a mesma análise após o resultado negativo diante do América, que venceu por 2 a 1 no domingo, pelo Campeonato Mineiro, mesmo estando com um homem a menos.
Para Levir, o time apagou. “Por incrível que pareça, aconteceu de forma parecida do segundo tempo contra o Colo-Colo. Não estamos no espírito das competições. É problema meu e nosso. Temos que entrar mais no espírito. O América estava dando a vida, por exemplo. Faltou muita coisa para a gente”, disse o treinador, que escalou um time reserva.
Levir não gostou da passividade do Atlético, mas também reconheceu os méritos do América-MG, que superou a desvantagem numérica após a expulsão de Patrick e conseguiu buscar a virada mesmo com um atleta a menos. "Hoje [domingo] estou lamentando o resultado, pois não jogamos dentro do que poderíamos jogar. O jogo foi complicado, um jogo para 0 a 0. O Givanildo [Oliveira] arrumou muito bem o time na parte defensiva e o ataque conferiu. Não produzimos o que podemos, mesmo com seis ou sete jogadores atuando pela primeira vez hoje, o que nos faz dar um desconto. Não merecíamos sorte melhor", admitiu.
O que também incomodou o treinador foi o comportamento da torcida, que vaiou o lateral Emerson Conceição. “É um sentimento de perda. Não consigo admitir que um profissional com a camisa do seu clube seja vaiado. A não ser que faça alguma coisa muito diferente, ruim. É um profissional, tem família, querendo fazer o melhor. Ele precisa fazer o melhor para sair desse buraco que entrou. Com apoio de todos, da arquibancada, da comissão, aí o problema passa para ele. Mas dessa forma [com vaias], fica difícil.”

 

Libertadores
Levir Culpi pensa agora na Libertadores. Nesta quarta-feira o Atlético recebe o Atlas-MEX, no Independência, em jogo que pode ser decisivo para o alvinegro. Ele continua com os desfalques de Pratto, Marcos Rocha, Douglas Santos e Jô. Além deles, Carlos deixou o clássico diante do América com um problema no tornozelo.
O treinador preferiu não adiantar quem será o substituto de Jô, que foi titular contra o Colo-Colo. “A pergunta é boa, mas é muito cedo para responder. O Carlos sofreu uma entorse, aparentemente. Vamos ver amanhã [ontem], com a equipe de fisioterapia e fisiologista, a recuperação dos jogadores. Temos o time base praticamente montado, então não vai ter muitas mudanças não”, comentou.
Sobre o meia Cárdenas, que estreou no clássico desse domingo, Levir avalia que o colombiano ainda não está nas condições físicas ideais para atuar 90 minutos. “Ele foi bem, prende bem a bola, tem boas enfiadas de bola, mas precisa trabalhar fisicamente, encaixar no futebol brasileiro. Precisa de um tempo de adaptação, mas, tecnicamente, é muito bom”, analisou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.