quarta-feira, 11 de Maio de 2016 12:37h

Libertadores coloca dois gigantes brasileiros para decidir uma vaga

A final do Campeonato Mineiro causou dois desfalques para o Atlético no duelo de ida das quartas de final da Copa Libertadores diante do São Paulo, nesta quarta-feira, às 21h45, no Morumbi

O atacante Carlos, que deixou o clássico de domingo com dores no pé, não teve lesão ou fratura detectada em exame, mas fica em Belo Horizonte para tratamento.
A outra ausência no grupo que viaja a São Paulo na noite desta segunda-feira é o lateral-direito Carlos César, que sofreu uma pancada na região do estômago. Tanto ele quanto Carlos seriam reservas no primeiro duelo das quartas de final.

 

 


Nesta segunda, os atletas que atuaram na final do Mineiro, no empate que deu o título ao América, fizeram treino regenerativo na academia. Os demais jogadores participaram de um trabalho técnico na Cidade do Galo.
O técnico Diego Aguirre optou por levar 21 atletas para São Paulo, mantendo ainda a dúvida sobre quem joga no ataque como companheiro de Pratto e Robinho. Cazares, Carlos Eduardo, Patric, Clayton e Hyuri são candidatos. A dúvida pode ser sanada na terça-feira à noite, quando o elenco alvinegro treina no Morumbi.
Capitão do clube mineiro, o goleiro Victor ressaltou a força do Tricolor e afirmou que será necessário anular Ganso, que, para ele, é quem comanda as ações ofensivas da equipe de Edgardo Bauza. “O São Paulo tem muita tradição e vem numa crescente. Não podemos deixar a equipe deles jogar e temos que tirar os espaços principalmente do Ganso, que vive grande fase, sabe ver o jogo na frente dos outros e, por isso, tem que ser olhado com respeito. É ele que faz o time jogar”, frisou ao canal "ESPN Brasil".

 

 

 

O arqueiro também comentou qual será a postura de sua equipe, que jogará fora de casa neste jogo de ida. Para ele, outro fator fundamental para levar uma boa vantagem para Minas será a manutenção da posse de bola. “Temos que ser inteligentes e não podemos passar 90 minutos só marcando o São Paulo, que tem poder ofensivo. Vamos botar a bola no chão... Morumbi tem um ótimo gramado e nosso time sabe tocar a bola. O equilíbrio tático e emocional é muito importante”, salientou.

 

 

 

Quando abordado se o vice-campeonato pode influenciar no duelo do Morumbi, Victor não titubeou e disse que o recente revés não deve pesar, até pelo falo de os jogadores do Galo estarem preparados emocionalmente para quarta. “Não deve influenciar, até porque fizemos um bom jogo contra o América-MG. A tristeza acabou ainda no vestiário. O torcedor reconheceu o esforço e aplaudiu a nossa equipe. Estamos com espírito para o jogo de quarta, que não é jogo que se joga apenas com a razão, mas também com o coração”,  finalizou.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.