terça-feira, 18 de Agosto de 2015 11:03h

Maluf puxa a fila contra arbitragem brasileira

A atuação do árbitro capixaba, Marcos André Gomes da Penha, na partida contra a Chapecoense, neste domingo, em Santa Catarina, revoltou jogadores, comissão técnica e diretoria do Atlético

O clube reclama, principalmente, no lance que originou o segundo gol dos donos da casa, que acabou selando a derrota alvinegra por 2 a 1.

Na jogada em questão, o lateral-direito Apodi dominou a bola claramente com a mão antes de entrar na área e mandar para as redes. Além disso, o lance da expulsão do zagueiro Leonardo Silva, ainda no primeiro tempo, também foi questionado.

A indignação foi tanta que o técnico Levir Culpi não concedeu entrevista coletiva após o jogo. Em seu lugar apareceu o diretor de futebol Eduardo Maluf, que disparou contra árbitros e CBF. Segundo o dirigente, o Atlético vai protocolar um documento nos próximos dias na entidade expondo os lances em que o clube teria sido prejudicado. “A CBF tem que fazer com que o campeonato continue tendo uma credibilidade grande. Nas quatro, cinco últimas rodadas erros impressionantes (aconteceram), trios de árbitros que não têm a menor condição técnica de apitar. Não vou falar da índole, da moral de ninguém, mas que não têm a menor condição de apitar”, disse Maluf.

Erros no jogo. “Colocar um trio que não tem a menor condição de apitar um jogo da terceira divisão do Campeonato Brasileiro, e vem aqui hoje e faz uma lambança total. Errou em todos os lances importantes do jogo. Os jogadores estão indignados no vestiário porque não sabiam o que ele marcava. No lance do Leonardo Silva, se era cartão amarelo, se era cartão vermelho, vem um quarto árbitro e fala para o bandeira que o lance foi dentro da área e que foi pênalti. E o bandeira, que tinha mostrado que o lance foi fora da área, corre para a linha de fundo”.

Falta de critério. “O que estou falando chama-se critério de arbitragem. Padronização de arbitragem que eles não têm. Hoje, o juiz deu quatro, cinco cartões por reclamações que em outros jogos importantes dos grandes times a gente não vê. Eu quero que o futebol tenha moralidade na arbitragem, e deixa que os times se decidam tecnicamente dentro de campo. E não foi o que nós vimos nas últimas quatro, cinco rodadas do Campeonato Brasileiro”.

Fim do sorteio dos árbitros. “Quero que vocês da imprensa, que as pessoas da imprensa ligadas ao futebol saibam que a CBF está querendo que ela tenha o poder de novo de indicar os árbitros. É uma vergonha. Eu acho que a arbitragem brasileira precisava de um investimento muito grande para melhorar. É o único amador num esporte estritamente profissional e altamente financeiro. O juiz não pode ser amador, tem que investir na qualificação destes árbitros”.

Impotência dos clubes. “Nós não podemos (tomar medida) nenhuma. Nós estamos nas mãos deles (árbitros e CBF). Eu estou alertando vocês da imprensa: fiquem atentos porque a CBF vai tentar com que ela tenha o poder de escalar juiz. Ela não tem competência nenhuma para isso. Quando ela faz sorteio, já faz pessimamente. Na hora em que ela voltar de novo a ter esse poder, aí nós estamos roubados. Agora, o Atlético vai, dentro deste protesto que estou fazendo hoje, tenho certeza que diversos clubes vão (fazer também). Vamos protocolar um documento na CBF mostrando a indignação nossa com a arbitragem. Não vou discutir o resultado do jogo, nada”.

Queda de rendimento do time. “Competência a gente tinha que ter. Em alguns jogos a gente mostrou e eu não tenho dúvidas: nosso time é muito forte e vai brigar pelo título. Como têm mais três, quatro equipes junto com a gente que também têm condição de brigar. Agora não pode privilegiar só um (Corinthians). Todos os erros só acontecem contra nós e as dúvidas só acontecem a favor de um”.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.