segunda-feira, 11 de Março de 2013 06:59h Atualizado em 11 de Março de 2013 às 07:06h. Bruno Cantinni

Mantida a invencibilidade do Galo dentro do Independência

Com a vitória por 2 a 1 sobre o The Strongest, da Bolívia, resultado que fez o Atlético disparar na liderança do Grupo 3 da Copa Bridgestone Libertadores, o Galo alcançou a marca de 40 jogos de invencibilidade.

Com a vitória por 2 a 1 sobre o The Strongest, da Bolívia, resultado que fez o Atlético disparar na liderança do Grupo 3 da Copa Bridgestone Libertadores, o Galo alcançou a marca de 40 jogos de invencibilidade como mandante, ou um ano e seis meses.
A série invicta, que inclui duas partidas pela Libertadores, 28 pelo Brasileirão, uma pela Copa do Brasil e nove pelo Campeonato Mineiro, teve início no dia 3 setembro de 2011, na vitória por 2 a 0 sobre o Avaí, pelo Campeonato Brasileiro. A partida foi disputada na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas.
Desde então, foram 31 vitórias, sobre Corinthians, São Paulo (2x), Fluminense, Grêmio, Internacional, Cruzeiro, The Strongest, Vasco, Bahia, Náutico, Figueirense, Sport, Portuguesa, Coritiba (2x), Botafogo (2x), Santos (2x), Palmeiras (2x), Goiás, Boa Esporte, Caldense, Nacional, Democrata, Araxá, Guarani, Tupi e América, e oito empates.
O técnico Cuca afirmou que o The Strongest valorizou muito a vitória do Atlético por 2 a 1, na noite desta quinta-feira (07), em Belo Horizonte. Com o resultado, o Galo disparou na liderança do Grupo 3 da Copa Bridgestone Libertadores e continuou com 100% de aproveitamento na competição. “Foi um jogo difícil como eu imaginava. O The Strongest joga em duas linhas de quatro e marca do meio para trás, não sobra espaço para trabalhar por dentro e, quando você perde a bola, fica ainda o risco de contra-ataque porque eles têm jogadores que saem com velocidade. É uma equipe perigosa, que joga junto há muito tempo, e que valorizou muito a nossa vitória”, analisou o treinador.
Cuca elogiou a maturidade da equipe, destacando que a paciência foi uma virtude importante do Atlético na partida. “Martelamos, criamos, passou perto, o goleiro pegou, deu na trave, tinha que ter paciência e trabalhar do lado do campo. No segundo tempo, o time foi um pouco mais equilibrado e, em uma dessas jogadas, o Ronaldo trabalhou bem a bola, cruzou e o Jô fez o gol, dando mais tranquilidade para a equipe e para o torcedor. Depois, fizemos 2 a 0, relaxamos e levamos o gol, mas nada que tirasse brilho do grande jogo que fizemos”, disse. “A equipe foi madura, soube passar o momento ruim no jogo, quando a troca de passe não estava tão boa, mas, no geral jogou bem, com organização e mereceu vencer. Acho que lá, na Bolívia, teremos mais espaço para jogar”, concluiu Cuca.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.