quinta-feira, 1 de Agosto de 2013 07:34h

Marcelo Chierighini, Thiago Pereira e Etiene Medeiros colocaram o Brasil nas finais em Barcelona

As finais do mundial de natação acontecerão a partir das 13h desta quinta-feira, 1/08. Os três passaram à decisão em boas colocações nas semifinais desta quarta-feira, 31/07, e aumentam as esperanças de mais pódios para o país que já soma sete medalhas (2

As finais do mundial de natação acontecerão a partir das 13h desta quinta-feira, 1/08. Os três passaram à decisão em boas colocações nas semifinais desta quarta-feira, 31/07, e aumentam as esperanças de mais pódios para o país que já soma sete medalhas (2 ouros, 2 pratas e 3 bronzes) na maior competição da FINA.
Chierighini nadou muito mal nas eliminatórias, mas conseguiu entrar na fase seguinte com o 15º tempo (49s08). Depois de uma longa conversa com seu técnico, Brett Hawke, o mesmo que treinou Cielo quando das medalhas nos Jogos de Pequim 2008, mudou de atitude na prova e pulou para a terceira posição, com 48s11, igualando a melhor marca de sua vida na prova. “Meu técnico chegou e me disse “você tem que decidir agora se quer entrar nesta final ou não”. Aí disse: “eu vou. Vou dar o meu máximo”. É isso, quem quer entrar numa final tem que entrar com o coração. Quem fizer mais vai conseguir levar a medalha. De manhã, quando a gente não nada muito bem a gente fica com aquelas coisas na cabeça. É normal, mas não pode deixar de acreditar. Quando a gente deixa de acreditar, a mente domina o corpo. Excelente. Era o que eu queria fazer mesmo. O Brett treina também a minha mente. Ele consegue reverter uma situação. É incrível. Ele é praticamente um psicólogo. Quando eu comecei a treinar com o Brett eu era um andador muito cru. Não tinha nada de experiência internacional. Acho que tinha muita coisa dentro de mim e ele só ajudou a descobrir isto” – revelou Marcelo.
Dez anos depois de seu primeiro Campeonato Mundial dos Esportes Aquáticos, na mesma Barcelona, Thiago Pereira chega à final dos 200m medley com o quarto melhor tempo (1m57s52) e com chances de pódio. Em 2003, aos 16 anos, ele sequer saíra das eliminatórias, terminando em 18º lugar (2m02s67). “Foi bom. Amanhã é estar concentrado. É cair na água e dar o melhor de mim e ganhar uma medalha para o país. Começamos com o pé direito, com as maratonas aquáticas. Elas nadaram muito bem e quanto mais medalha para o Brasil, melhor. Me sinto na melhor fase da minha carreira. Nestes 10 anos muita coisa aconteceu, mas uma medalha no Mundial de longa está faltando pra mim e quero conseguir isso também. Me senti bem na água e não queimei tudo o que tinha, mas nadei forte. Me deu uma confiança muito maior e vamos ver o que vai dar amanhã. O ritmo foi mais ou menos o mesmo da manhã, mas tenho muito o que dar ainda nesta prova pra sair daquele jeito que eu saio, passando mal – brincou – Não consegui ter a mesma preparação que tive para as Olimpíadas. Fiquei sem clube, casei, tive lesão no quadril… Isso tudo me levou a optar por deixar de lado os 400m (medley), que é uma prova mais pesada” – declarou.
A prova, naturalmente mais puxada do que as eliminatórias, teve o americano Ryan Lochte liderando (1m57s07), seguido pelo japonês Kosuke Hagino (1m57s38) e pelo húngaro Lazslo Cseh (1m57s41). Henrique Rodrigues, que estava bem nas eliminatórias com a sétima marca para a semifinal fez 1m59s47 e não passou à decisão finalizando na 12ª posição.
Etiene Medeiros foi a excelente surpresa do dia e com 27s89 passou à final dos 50m costas com o quinto tempo. China, Japão e Espanha entram na final com as melhores marcas com Yuanhui Fu (27s40), Aya Terakawa (27s70) e Mercedes Peris (27s71). Na frente de Etiene ainda a chinesa Jing Zhao (27s87), mais jovem campeã mundial da prova, na edição de Roma/2009, aos 18 anos. “Estou muito feliz, o objetivo era este, realmente. Queria ter ganho a série (nota: terminou em segundo em sua bateria), mas tive um errinho nos últimos cinco, seis metros, pois bati na raia. Mas este ano de 2013 está sendo muito bom, tive um amadurecimento, tanto eu como meu técnico (Fernando Vanzella), estou tendo muito apoio dos meus patrocinadores (Correios e Speedo), do meu clube, o Sesi. E agora, peço para torcerem por mim na final.
Leonardo de Deus terminou na 8ª posição dos 200m borboleta, na primeira final de Mundial de sua carreira. Leo marcou 1m56s44. O pódio foi formado pelo campeão olímpico, Chad Le Clos, da África do Sul, com 1m54s32; pelo polonês Pawel Karzenowski, 1m55s01; e pelo chinês Peng Wu, 1m55s09. “Nos últimos 50 metros perdi a posição do nado, as coisas não deram muito certo. Estou feliz não com o tempo, mas por ter entrado na final. Isso foi muito importante para mim, para a minha carreira. Mudei de técnico, de clube, estou feliz. Um passo de cada vez. Acho que estou no caminho”.
A outra final com brasileiro nesta noite em Barcelona foi com João Gomes Junior. O brasileiro entrou com o terceiro tempo da semifinal (27s05). Se repetisse esta marca ficaria na quarta posição, mesmo tempo alcançado pelo esloveno Damir Dugonjic. A prova foi muito disputada e João acabou na 5ª posição, com 27s20. O sul-africano Cameron Van der Burgh venceu em 26s77, um centésimo melhor do que Christian Sprenger, da Austrália, 26s78. Eles foram os únicos a nadarem abaixo dos 27 segundos. O bronze saiu para o sul-africano Giulio Zorzi, 27s04, um centésimo da marca do nadador esloveno e do tempo de João na Semi. “Não era para ser, não estava escrito ainda. É levantar a cabeça pra próxima e continuar trabalhando. Não deu pra agora, batalhar para a próxima. Abaixar a cabeça em momento algum. Fico triste, meu tempo de ontem, me deixava em quarto, a um centésimo do terceiro. Mas prova de 50 é uma caixinha de surpresa, tanto que a raia 8 pegou bronze. Vamos estudar o que deu errado pra não acontecer de novo.

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.