quinta-feira, 3 de Dezembro de 2015 09:56h Atualizado em 3 de Dezembro de 2015 às 09:59h. Luciano Eurides

Maria Helena sai na frente nas quartas de final da Copa Divinópolis

A equipe do Maria Helena venceu o Colorado por 1x0, gol de Jeferson Pelada, e com este resultado, faz o jogo de volta com a vantagem do empate para seguir às semifinais da competição

O União venceu o Boca por 3x1, Juventude e Palmeiras ficaram no empate, em 2x2, e ainda, o Vila Nova fez 3x0 no Napoli. Os jogos de volta estão marcados para domingo, dia 6.

A partida entre Maria Helena e Colorado teve o início atrasado, por conta de uma forte chuva, isso minutos antes de as equipes entrarem em campo. Com os jogadores já nos vestiários, os times decidiram colocar a bola para rolar. Mesmo com muito barro, os times se empenharam ao máximo para conseguir boas jogadas. Nos primeiros minutos de partida, apenas o Maria Helena jogava, o Colorado aguardava a equipe da casa. Helvécio, goleiro do Colorado, se tornava o melhor em campo.

O campo molhado deixava toda bola perigosa, e em uma boa jogada, que iniciou com a roubada de bola na defesa, a ligação com a ala direita e o cruzamento perfeito, na cabeça de Jeferson Pelada, que subiu sozinho e, com elegância, colocou a bola no fundo do gol.

No segundo tempo, o Colorado saiu para o jogo, pois o resultado já não o interessava. Os dois goleiros trabalharam, mas foi Nino quem fez a defesa mais difícil. No bate-rebate, a bola sobrou para Linho chutar rasteira e o goleiro do Maria Helena teve dificuldades para, no cantinho, tirar o que poderia ser o gol de empate. O campo, no final da partida, já estava menos escorregadio, ruim para os dois lados, mas proporcional uma medição e duas grandes forças do futebol da cidade de Divinópolis.

Para o jogador, Jeferson Pelada, não tem nada decidido, ele aguarda um grande espetáculo na partida de volta, e conta que, no Campo do Maria Helena (Alçapão do Capeta) tudo que já foi conquistado, foi com empenho da comunidade, e aguarda do poder público um campo melhor, e assim, oferecer um verdadeiro espetáculo. "Nada ganho, nada decidido, é Copa Divinópolis, um jogo aqui e outro lá, tem que esperar o segundo jogo para decidir. O campo não ajudou, o campo é ruim mesmo, mas temos que esperar uma campanha para ajudar a arrumar o campo, Fábio Avelar (deputado estadual) e muita gente falou que iria ajudar, mas ninguém ajudou, temos que jogar onde temos e se não fosse a chuva, seria outro jogo e não aguentavam a gente ", declarou.

O jogador, Guilherme Rosquinha, da equipe do Colorado, alerta para a boa partida da equipe na casa do adversário e chama o jogo para um campo neutro. "O campo atrapalha, os dois times são bons, mas o campo ruim, a chuva, barro, falação na cabeça do juiz, acabam atrapalhando o jogo. No jogo de volta, não pode levar para campo bom, o time deles roda muito a bola e levar para um campo bom desiguala o jogo, é bom para eles, levar para um campo ruim também, para trombada e choque. É possível reverter, 1x0 na casa deles, jogo difícil, jogador deles devia ter sido expulso e não foi, acho que dá sim para ganhar deles", analisou.

Na próxima rodada, os times se enfrentarão no Campo da Amobi, domingo, 10h30min. No mesmo horário, jogarão Boca e União, no campo do Jusa Fonseca. Palmeiras e Juventude, no estádio Pelezinho. Com início às 15h, jogam Napoli e Vila Nova.

Nesta edição, 32 equipes participaram da competição. Estão programadas 62 partidas, no sistema mata-mata. O campeão será premiado com R$ 1 mil e o segundo lugar com R$ 600.

A competição começou em 31 de outubro e vai até 20 de dezembro, com a final no estádio Waldemar Teixeira de Faria. Nos jogos da semifinal e final, será apenas uma partida em cada fase, de acordo com o regulamento acordado da competição.

 

NOTA
Nossa reportagem chegou ao estádio com uma hora e meia de antecedência em relação ao horário do jogo, e, por conta da chuva, teve um atraso de vinte minutos, a saída da reportagem se deu após todos os trabalhos serem realizados, cerca de quarenta minutos após o término do jogo; em momento algum, houve sensação de insegurança para qualquer torcedor, jogador, equipe de arbitragem ou reportagem. Todos recebidos de maneira simples, mas muito bem recebidos, em segurança total. Isso é muito importante, já que o campo não possui alambrado, mas houve respeito total, fato muitas vezes não visto nos grandes estádios.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.