quinta-feira, 15 de Setembro de 2011 11:29h Dácio Fernandes

Matemática começa a fazer parte das preparações dos times do brasileiro

Times já começam a analisar as estatísticas para verificarem as possibilidades no campeonato

Ainda é cedo para apontar favoritos ao título brasileiro deste ano, porém alguns objetivos já podem ser traçados através das estatísticas, que apontam “números mágicos” tanto para a conquista da taça, vagas na Libertadores e Sulamericana, além do temido rebaixamento.


Segundo o matemático Tristão Garcia, 76 pontos (66,7%) garantem o título sem depender de ninguém, mas nenhuma equipe até nessa 23ª rodada alcançou esse aproveitamento. Quem está mais próximo é o Corinthians, que mantendo essa média terminaria o campeonato com 71 pontos (mesma pontuação do Fluminense, campeão em 2010)


As vagas da Libertadores possuem variantes bastante diferentes, visto que Vasco e Santos, já alcançaram a vaga, e no caso, principalmente do Vasco, de ficarem entre os quatro liberam mais vagas para quarto ou quinto colocado e existe ainda a possibilidade de um clube brasileiro vencer a sulamericana. Garcia trabalha então com 03 vagas e que seriam garantidas pelos times que atingissem 65 pontos

 

 

Quanto ao rebaixamento, é possível observar que, em geral, a situação também tende a sofrer alterações até o fim. Em 2009, Fluminense e Botafogo estavam no Z-4 na 23ª rodada e depois escaparam. No ano seguinte, os Atléticos de Minas e Goiás encontravam-se dentro da zona perigosa mas conseguiram se manter na elite. Já para se livrar do rebaixamento, o número da esperança é 47, porém historicamente os times têm escapado com 45 ou 46 pontos

 

Então os números mágicos nesta reta final do campeonato são 71,65 e 47, além da garantia de que muita coisa irá acontecer até 04 de dezembro, data da última rodada. Que é quanto essas previsões se confirmam ou provam que futebol não é uma ciência exata.

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.