quarta-feira, 19 de Outubro de 2011 13:15h Luciano Eurides

Montillo dá exemplo de profissionalismo

O elenco cinco estrelas iniciou a preparação para o jogo de domingo, contra o Atlético-GO, que será disputado às 18h, na Arena do Jacaré. Após o trabalho da parte da manhã, o craque Montillo concedeu entrevista coletiva e falou sobre o momento atípico que o Cruzeiro atravessa.


O argentino defendeu que o time celeste está em nítida evolução, confirmada no duelo com o Corinthians, quando a Raposa jogou de igual para igual e teve tudo para conquistar um bom resultado, e ainda rechaçou que a situação de seu filho Santino tenha interferido em seu desempenho no jogo. “Primeiramente, acho que fiz uma boa partida, eu não fui mal, o time não foi mal, eu só perdi o pênalti e só ficam as coisas ruins depois do jogo, se eu tivesse acertado todo mundo ia falar que o Montillo superou o problema do seu filho e tudo mais, mas eu acho que fiz uma boa partida. Jogamos contra o líder do torneio, um time que tem jogadores de muita qualidade. É duro, porque quando teve o pênalti, era um momento do jogo que era bom empatar, mas é o futebol. Eu não sou um cara que abaixa a cabeça e ficar me lamentando, porque errei o pênalti, porque não fiz um lance de gol. Não podemos ficar só lamentando e sim continuar trabalhando. Acho que o Cruzeiro melhorou muito com a chegada do Vágner Mancini, temos que acreditar no trabalho que ele está fazendo e que o time vai sair dessa fase ruim. Temos que pensar daqui pra frente, saber que faltam oito jogos e são oito finais, infelizmente temos que estar com a calculadora na mão, sim, mas não vamos fugir dessa realidade. O time vai seguir trabalhando, não tem outro jeito de sair dessa situação se não for com trabalho e se não acreditar no trabalho do treinador. Depois dos últimos jogos que fizemos, as coisas ficaram mais tranquilas, recuperando a confiança de alguns jogadores. Antes o time não estava criando chances, agora, no jogo com o Corinthians foram quatro ou cinco lances claros de gol só no primeiro tempo”, argumentou Montillo.


Questionado sobre o problema familiar, Montillo ameniza a situação dizendo que a repercussão em torno de seu filho se deve ao fato do jogador ser uma pessoa pública. O craque celeste pondera que todo mundo enfrenta adversidades e ainda frisa que se está concentrado em ajudar o Cruzeiro a sair da posição incômoda na tabela do Campeonato Brasileiro. O argentino aproveita para pedir que a torcida que continue incentivando o time. “Todo mundo tem problemas, não só eu, todo mundo tem filho, parente internado, mas eu sou uma pessoa pública e por isso as coisas ganham maior proporção. Mas todos passam dificuldades, seja um filho doente, um familiar passando mal, mas dentro do trabalho temos que deixar essas coisas de lado, eu sei que é difícil, por se tratar de pessoas que amamos, mas aqui dentro temos que focar no Cruzeiro. Infelizmente, o time está numa fase ruim, mas não podemos fugir. Não vamos acordar e o Cruzeiro terá 55 pontos, temos que trabalhar para que cheguemos aos 45, 48, até se afastar da zona de rebaixamento. Temos que acordar, sair de casa e vir para o trabalho acreditando no que o Vágner Mancini vai colocar em campo, acreditando no time que temos, e que estamos melhorando. A torcida tem nos apoiado e o time não tem dado alegrias a ela, mas só posso pedir que continue, que precisamos dela e que com certeza, daqui a pouco o time vai sair dessa, porque temos grandes jogadores, e é uma questão de detalhe”, disse.

 

 

Everton vetado


O exame do jogador Everton, realizado nessa segunda-feira, constatou um estiramento grau 2 no ligamento colateral medial do joelho esquerdo e o atleta celeste ficará fora de combate por cerca de 40 dias.


O médico do Cruzeiro, Sérgio Freire Júnior, explicou a lesão de Everton. "Realizamos o exame de ressonância magnética que mostrou uma lesão grau 2 do ligamento colateral medial, na parte interna do joelho esquerdo. Um ligamento que cicatriza de uma forma natural, não é necessário fazer cirurgia. A gente espera ainda chegar as imagens para ver se não tem nenhum outro tipo de lesão que tenha necessidade de cirurgia, a expectativa é que não. Mas com a confirmação da lesão desse ligamento, ele necessita de um afastamento em torno de 40 dias, o que praticamente inviabiliza a participação dele no campeonato. O trabalho vai ser feito para que esse tempo possa ser encurtado, mas a chance é pequena", disse.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.