sexta-feira, 4 de Julho de 2014 08:21h Atualizado em 4 de Julho de 2014 às 08:33h.

Nervos a flor da pele na Seleção Brasileira

Erro zero. Foi isso que o técnico, Luiz Felipe Scolari, pediu aos seus jogadores para o mata-mata da Copa do Mundo, logo depois da Seleção Brasileira derrotar Camarões por 4 a 1, passando para as oitavas de final.

Desde então, porém, a equipe do Brasil, mesmo que tenha eliminado o Chile, acumulou muito mais problemas e questionamentos do que virtudes e certezas.
Tudo começou sábado passado no Mineirão. Apesar do triunfo nos pênaltis por 3 a 2, após empate por 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação, a Seleção expôs o que pareceu ser um abalo psicológico de alguns dos seus principais jogadores, caso exemplificado pela postura do zagueiro e capitão, Thiago Silva, que se isolou antes das cobranças.
E passou até pelo comportamento do estafe da CBF, tanto que o diretor de comunicação da entidade, Rodrigo Paiva, foi acusado de agredir o atacante chileno, Mauricio Pinilla, sendo suspenso por uma partida pela Fifa. "Os jogadores estão vivendo essa Copa de forma muito intensa. Às vezes, extravasa no choro. Isso é uma forma de se motivar", explicou o goleiro reserva, Victor.
Os jogadores da Seleção negam que estejam abalados com a pressão de conduzir a equipe ao hexacampeonato mundial atuando em casa, mas o fato é que a psicóloga, Regina Brandão, foi acionada e esteve na concentração brasileira, em Teresópolis (RJ), para ter uma conversa com o grupo.
Para piorar, Scolari disse em conversa informal com alguns jornalistas na Granja Comary que, se pudesse, trocaria um dos 23 jogadores convocados para a Copa – não revelou qual –, o que pode deixar o grupo ainda mais pressionado. Os problemas da Seleção, porém, não são meramente emocionais. "Sobre o choro, cada um reage de forma diferente. Cada um tem uma reação. Não adianta dar destaque a isso, talvez não leve nosso time a lugar nenhum", falou o volante Fernandinho.
O sofrido jogo com o Chile expôs as dificuldades de a equipe brilhar quando Neymar – autor de quatro dos oito gols da Seleção na Copa – está bem marcado. "Não me sinto sobrecarregado nem dentro nem fora de campo. Tenho companheiros que me ajudam, roubam a bola, fazem gol, dão passe", disse o próprio Neymar, tentando minimizar essa dependência brasileira.
O atacante Fred não faz os gols que dele se esperava, o que levou, inclusive, a Felipão testar a equipe sem um centroavante no treinamento da última quarta-feira, algo impensável para a sua filosofia de futebol. "Eu me cobro muito, quero deixá-lo 50 vezes na cara do gol porque tenho certeza que ele vai fazer 51", revelou Neymar, ao comentar sobre a fase do companheiro de ataque.
Apesar dos problemas, Felipão praticamente não tem mexido no time – a entrada de Fernandinho foi uma exceção no lugar de Paulinho – pelas poucas opções que o banco de reservas lhe dá, ainda mais com o momento difícil vivido por alguns jogadores, caso do centroavante Jô, que vem decepcionando até nos treinamentos.
Atividades que foram escassas entre as partidas com Chile e Colômbia, reflexo do cuidado especial adotado pela comissão técnica para não perder nenhum jogador por contusão, ainda mais depois dos recentes problemas enfrentados por Neymar – dores no joelho direito e na coxa esquerda – e David Luiz – contratura na região dorsal.
Assim, com mais problemas do que acertos nos últimos dias, a Seleção já está em Fortaleza para enfrentar a Colômbia nesta sexta-feira pelas quartas de final. E tentará encontrar o rumo certo para chegar viva à semana final da Copa.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.