terça-feira, 20 de Maio de 2014 05:29h Atualizado em 20 de Maio de 2014 às 05:31h. Luciano Eurides

Palmeiras perde nos pênaltis para América pelo mirim do Imef

O Palmeiras do Afonso Pena, Categoria Mirim, recebeu na manhã desse sábado a equipe do América Mineiro, em jogo válido pelas oitavas de final do Campeonato do Instituto Mineiro de Escolinhas de Futebol (Imef).

O time de Belo Horizonte usou para o jogo a camisa do Vasco da Gama, principal rival do time alviverde. Depois de um empate em 1 a 1, o América foi melhor nos pênaltis e venceu por 5 a 4.
O time divinopolitano entrou em campo com a camisa original, verde e preta e, conforme manda o regulamento, o América teve de trocar as camisas. Não havia um segundo uniforme e, assim, foram ao estádio Dr. Sebastião e buscaram camisas do Vasco da Gama. Infeliz decisão da equipe da capital em gerar ou reviver uma rivalidade local. Desnecessária e atrasou em 35 minutos o início da partida.
O Palmeiras conseguiu fazer um excelente primeiro tempo, teve as melhores oportunidades, especialmente quando Gabriel chutou, o goleiro colocou para escanteio e no cruzamento, Lucas cabeceou a bola na trave. No segundo tempo o América voltou melhor, passou a ocupar mais espaços e chegou a estabelecer pressão. Aos 14 minutos do segundo tempo o América abriu o placar com um cruzamento na área e o atacante saiu livre para fazer 1 a 0.
O time da casa soube jogar, manteve o esquema tático e aproveitou a recuada do América para fazer uma sequência de ataques. Em um deles a bola tocou a trave e voltou para Vampeta chutar forte e com raiva, a bola tocou no goleiro e o jogou para dentro do gol juntamente com a bola. A arbitragem corretamente marcou o gol e estabeleceu 1 a 1.
O empate levou a decisão para os pênaltis. O América converteu todas as cinco cobranças. Pelo Palmeiras, Natan chutou por cima do travessão e a classificação para as quartas de final ficou com o time da capital.
O treinador, Artur Silva, garante sair de cabeça erguida. “Mostra que o trabalho é bem feito, enfrentamos uma equipe de qualidade e recursos para terem os melhores jogadores, falhamos uma vez e sofremos o gol. Buscamos o resultado e empatamos e nos pênaltis é quem está melhor psicologicamente. Eles acostumados a decisões e nosso time não tão acostumado a times grandes. A equipe se mostrou superior, fomos melhores e perdemos jogadores, o Caio não esteve no jogo e mesmo assim sobressaímos e podíamos ter a vitória”, falou e considerou ter atacantes de velocidade e não de força.
“Estava sem o Caio, um jogador forte e atua entre os zagueiros, define o jogo. Infelizmente contusão [o tirou do jogo] e os demais atletas conseguiram suprir sim a falta dele. Bola para frente, ainda temos outros campeonatos”, declarou.

O atleta, Maicon Wellington, apelidado de Vampeta, autor do gol Palmeirense, deu mostras de realmente estar de cabeça erguida. “Muito difícil, eles têm uma reação muito forte, jogam a bola para frente e vão atrás dela e isso é uma experiência para nós. Aqui no Palmeiras temos essa oportunidade”, disse e garantiu que o lance dele foi gol.
“O goleiro buscou ela lá dentro, sobrou para mim, a ideia foi do Lucas, ele falou fica atrás de mim e você vai fazer o gol, consegui e não saímos diante de um grande time, perdemos para o América de Sete Lagoas e acabamos no confronto frente ao América Mineiro, podíamos ter enfrentado eles já na final e estamos juntos para esta e outras competições”, falou o jovem atleta do Palmeiras.
Em uma avaliação rápida o time divinopolitano encarou e chegou a jogar melhor que o time da capital. A vitória no tempo normal de jogo poderia ter ocorrido se o time tivesse um melhor porte físico, pois os atletas do Coelho são altos e têm muita força. Na técnica e tática o Palmeiras foi superior. Infelizmente, se o Palmeiras fosse a Belo Horizonte com uniforme de outra equipe, nem seria recebido. Se o Palmeiras agir da mesma forma é punido, a Imef já deu mostras de haver uma preferência pelas equipes da capital.

 

Crédito da foto: Luciano Eurides

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.