quinta-feira, 25 de Setembro de 2014 04:50h Atualizado em 25 de Setembro de 2014 às 04:52h.

Palmeiras se revela grande diante do América de Sete Lagoas

O Palmeiras de Divinópolis recebeu na manhã desse sábado a equipe do América, da cidade de Sete Lagoas. Na categoria 2004 o time alviverde venceu por 1 a 0, gol de Igor.

O time fez o dever de casa na busca pela recuperação dentro do Campeonato do Instituto Mineiro de Escolinhas de Futebol (Imef). Esta foi a terceira apresentação da equipe, sendo duas derrotas e uma vitória.

O time do Palmeiras, de nova forma de jogar, mais ofensivo, enfrentou um time muito bom. A equipe de Sete Lagoas tem um excelente elenco, obrigou o time da casa a marcar muito bem na primeira etapa. Na segunda etapa o time saiu ainda mais para o jogo. Apesar de muitas oportunidades de gols, o gol Palmeirense saiu em um lance de sorte e competência. Igor chutou a bola da intermediária e a bola tocou no chão e cobriu o goleiro, fazendo o gol da vitória.


A vitória recupera o time dentro da competição, a moral e confiança dos jogadores. Há necessidade de jogar com mais equilíbrio. Logo o time marca bem e não ataca com tanta intensidade. Às vezes ataca com grande número de atletas e acaba sendo obrigado a fazer faltas desnecessárias. Na soma dos fatores a equipe tem ótimas condições de fazer ainda grandes jogos pelo Imef.


O atleta, Igor, autor do gol da vitória, contou que o gol saiu porque ele viu o goleiro adiantado. “Foi difícil. Aproveitei que a bola sobrou e chutei”, disse. O treinador, Manoel, tinha o time incompleto e o time superou os desafios e cresceu. “Uma superação muito grande e vamos lutar pela classificação. O sistema de jogo tentamos implantar com muita intensidade e tempo de trabalho”, falou.


Na categoria Fraldinha o time da casa teve um volume de jogo e número de oportunidades maior que o do time visitante. O time de Sete Lagoas converteu duas cobranças de faltas em dois gols. Gabriel diminuiu para o Palmeiras e o placar final América 2 a 1 Palmeiras.


O time alviverde esteve muito bem em campo. No primeiro tempo foram três chances claras de gol jogadas para fora. No segundo tempo foram outras duas e o travessão salvou a equipe Americana. O castigo veio em cobrança de falta. Arthur fez o gol direto. O Palmeiras, muito superior no jogo, ainda empatou com Gabriel, mas o fundamento bola parada da equipe vermelha era realmente muito forte e Arthur novamente de falta fez 2 a 1.


O time palmeirense sentiu a derrota, muito pelo fato de ter uma equipe muito boa, ter jogado bem e não ter conseguido os gols necessários para a vitória. O goleiro da equipe divinopolitana, embora improvisado, em nada teve culpa, até mesmo fez defesas importantes no jogo.


A equipe Pré-Mirim do Palmeiras jogou e empatou em 1 a 1. Este foi o primeiro ponto da categoria, mas o sentimento é que poderia ter vencido o jogo e até mesmo com facilidade.


O time esteve muito bem em campo. A improvisação de Jean no gol acabou deixando frágil a defesa. O cenário poderia ter mudado logo no início quando o Palmeiras perdeu um pênalti, mas o time continuou jogando bem, criou oportunidades e foi superior. No segundo tempo o América de Sete Lagoas equilibrou o jogo. Em um contra-ataque, novo pênalti. Desta vez Jean cobrou e fez 1 a 0 para o time da casa. No final da partida, em uma falha da marcação palmeirense, o atleta, César, empatou o jogo.


A questão defensiva do 2002 do Palmeiras é quase um quebra-cabeças. A presença de Jean no gol traz segurança para a equipe, mas a ausência dele na zaga ainda é estranha. Ele é o líder da equipe, uma condição que do gol fica mais longe para orientar. O time terá de se acostumar a jogar seguindo nova ordem, essa é a solução para os dois próximos jogos da categoria.


Para o capitão, e hoje goleiro, Jean, a equipe está no caminho certo. “O Mateus machucou e tenho experiência no gol, já vinha nas cobranças de pênalti ainda como goleiro, mesmo jogando na linha eu era o cobrador oficial, hoje ainda perdemos uma cobrança, mas como eu tava no gol o Alberto optou pelo Aguilar, no final tínhamos de ter fechado, no caso da zaga o Juninho chegou e vai ajudar a gente”, falou cheio de confiança.


Já o treinador espera acertar detalhes na marcação. “São coisas que acontecem. Reconheço que o Jean na zaga é insubstituível, mas foi a única opção, ele é um menino de uma disciplina muito grande, estabelece a liderança, a solução é trabalhar e temos dois jogos ainda, vamos nos classificar”, explicou.

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.