segunda-feira, 23 de Dezembro de 2013 05:00h Luciano Eurides

PEC e Tupi travam a batalha final

O Campeonato Juniores da Liga Municipal de Desportos de Divinópolis (LMDD) tem nesse domingo, 10h30min, no bairro Candelária, a realização da última partida. Projeto Esportivo Candelária (PEC) e Tupi de Carmo do Cajuru disputam o título. A regra é dois tempos de quarenta minutos, ao final da partida se vitória do PEC a disputa segue para a cobrança de uma série de cinco pênaltis, permanecendo o empate, alternados até que se conheça o vencedor. Um empate ou vitória do Tupi, o troféu vai para a cidade de Carmo do Cajuru.
A estratégia será traçada pelas equipes levando em consideração o campo e as observações feitas na primeira partida, disputada no estádio José Marra da Silva, ode o Tupi venceu por 2x0.
Os donos da casa treinam na tarde de hoje e usarão o fato de até o momento não perderem em casa. Conhecerem os defeitos e morrinhos do gramado. O espaço é reduzido, campo pequeno. O PEC irá trabalhar a explosão, as cobranças de faltas e o uso do melhor porte físico dos jogadores. Há uma preparação para se ganhar no corpo, o choque é inevitável quando o ambiente é diminuído. As faltas são cobradas diretamente a gol em qualquer distancia. A aposta é na volta do lateral Gugu, na qualidade de passe de Henrique e Fred, tudo somado a criatividade de Adilson e explosão de Zutti.
O Tupi não fará treino, apenas uma concentração. A forma de jogar está definida a partir das qualidades individuais de cada jogador. Não haverá marcação individual. A estratégia é o sistema defensivo marcar próximo, sem espaço, os laterais mais presos e os volantes (Guilherme e Julio Cesar) roubar a bola sem falta. Raul e Pablo serão encarregados de evitar os avanços dos adversários e também na execução das cobranças de faltas. Diego Doira e Tallys fazem uma dupla de ataque difícil de ser marcada, tem velocidade, conclusão a gol e principalmente desenvoltura em dribles rápidos. A aposta é na qualidade de Ruan na lateral, local onde defendeu o Itaúna no Campeonato Mineiro Profissional.
Somando as duas equipes sobra qualidade. O PEC trás jogadores tradicionais e revelações. Chicão como zagueiro é sensacional. Luan joga como volante e zagueiro na mesma qualidade. São dois observados no primeiro jogo da final, mas sabendo que outros talentos podem se despontar nesse grande jogo. O Tupi tem uma seleção de jogadores formados nas melhores escolas de futebol de Minas Gerais. Passaram pelos melhores clubes e treinadores. Chama a atenção a manutenção da qualidade do time quando se usa o banco de reservas. Rodolfo tem entrado e mudado o rumo dos jogos, da mesma forma Somália, Alef, Lucas Madruga e Raul que deve substituir Juninho, expulso no primeiro jogo.
A responsabilidade pode estar nas mãos de João Paulo e Igor, goleiros de PEC e Tupi. João Paulo além de evitar gols, terá de defender pênaltis para garantir o troféu. Igor se não levar gol, é campeão e leva o Tupi a mais uma conquista.
As torcidas, apaixonadas e sem duvida será de grande público. Cabe a cada um torcer, incentivar, festejar e empurrar o time dele. O campo não tem como fazer separação de torcidas ou sequer acomodar a todos, assim será necessário a compreensão de cada pessoa para não haver discussão e desavenças. Sem brigas, tentativas de invasão e qualquer ato que possa prejudicar os atletas. A certeza é que apenas uma vai comemorar, a outra deverá ter a certeza que o time dela fez de tudo para ficar com o troféu, briga não vai mudar a situação.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.