sexta-feira, 30 de Março de 2012 10:53h Luciano Eurides

Procura-se um cobrador de falta na Toca II

Aos poucos, a equipe do Cruzeiro vai ganhando ritmo de jogo e entrosamento, o que permite ao técnico Vágner Mancini aprimorar fundamentos específicos, como as jogadas ‘de bola parada’.
O treinador comentou que as oportunidades surgem a cada partida e que, apesar de o time ter algumas jogadas treinadas na Toca da Raposa II, cabe aos atletas, em campo, perceber a melhor opção, na tentativa de chegar ao gol. “Eu acho que às vezes você tem que saber escolher a jogada certa. A gente dá algumas opções, algumas alternativas aos atletas, e dentro de campo é com eles. Não dá para você ficar falando ‘faça jogada 1, ou a 2, ou a 3,’. Ali é uma decisão do atleta. Às vezes, o nosso adversário também percebe alguma coisa e já se arma de uma forma diferente. O importante é que a gente tem feito, desde o início do ano, e uma hora ou outra a bola vai entrar”, disse.
Um dos candidatos a ser cobrador de falta do Cruzeiro nesta temporada, o lateral-direito Marcos explicou que ainda tem que aprimorar as cobranças durante os treinamentos, mas que isso já começou a ser feito na Toca II. “Na verdade, neste ano eu tive pouca oportunidade de treinar as cobranças de falta. Então, na hora de bater, ainda está sendo complicado. Mas nesta semana o Mancini conversou com a gente, falou que vamos treinar mais as jogadas de bolas paradas, para, quando chegar na hora de bater, nos jogos, a gente possa fazer uma cobrança certeira”.
Em meio a um elenco com tantos jogadores de nome e conhecidos da China Azul, como Montillo, Fábio, Roger, entre outros, um atleta vem chamando a atenção. Trata-se do meia Elber, que foi revelado pelas categorias de base do Cruzeiro, subiu ao profissional em 2011 e, nesta temporada, está mostrando que terá um futuro brilhante no futebol.
Na base cinco estrelas, Elber sempre se destacou. Entre os títulos conquistados, o mais importante foi o Brasileiro sub-20 em 2010, no qual o meia fez parte da seleção do campeonato.
Depois que foi promovido à equipe profissional, no ano passado, Elber passou por um processo de maturação que está dando resultado. O técnico Vágner Mancini comenta sobre a evolução do atleta de 19 anos dentro e fora das quatro linhas e aposta que ele será muito útil ao time no decorrer do ano. “O Elber é um atleta que está muito mais maduro. Quando chegamos no clube, ele vivia um momento de, de repente, estarmos jogando muito peso em um atleta que, naquela oportunidade, não tinha sustentáculo para isso. Hoje não, hoje a equipe está mais arrumada e dá para ele entrar e desempenhar o papel que tem que ser desempenhado. Nada mais é do que dar uma mão para o Elber, mas uma mão firme e não cheia de sabão, que pode escorregar. Ele vem, dia a dia, ganhando espaço no grupo. Lá atrás ele era um menino introvertido, com uma certa dificuldade até de relacionamento, hoje já está totalmente mudado. Isso não mais é que o cenário que ele mesmo fez. Estou satisfeito e espero que, nesses jogos sequentes, ele possa entrar ainda melhor e nos ajudar mais ainda”, argumenta Mancini.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.