terça-feira, 26 de Junho de 2012 16:05h Gazeta do Oeste

Rich Franklin estraga festa no Mineirinho

Escalado para substituir Vitor Belfort no UFC 147, Rich Franklin atuou como o perfeito convidado indesejado no evento realizado no Mineirinho, em Belo Horizonte, na noite deste sábado. Aos 37 anos e sem lutar desde fevereiro de 2011, quando perdeu para Forrest Griffin, o americano mostrou que ainda está em forma e estragou a festa brasileira ao derrotar Wanderlei Silva por decisão unânime dos jurados, diante de um grande e empolgado público. O "Cachorro Louco" teve apenas um bom momento no duelo, quando quase nocauteou no segundo round, mas saiu decepcionado. Ele é o primeiro dos grandes ídolos do Brasil no MMA a não vencer no país. Antes, Anderson Silva, Mauricio Shogun e Rodrigo Minotauro, no UFC 134, e José Aldo e Vitor Belfort, no UFC 142, haviam triunfado em solo verde-amarelo.

 


Os dois já haviam se enfrentado no UFC 99, em junho de 2009, quando Wanderlei perdeu também por decisão unânime dos jurados, após três rounds de muito equilíbrio. O brasileiro não concordou com o resultado e até hoje faz questão de deixar clara sua opinião, dizendo que foi o verdadeiro vencedor na ocasião. Desta vez, no entanto, o domínio do americano foi grande e não deixou margem para dúvida.

 


Foi o 29º triunfo em 36 combates na carreira de Franklin (14-5 no UFC). Já Wanderlei sofreu o 12º revés, o sétimo em dez lutas no UFC. Ele tem ainda 34 vitórias, um empate e uma luta sem resultado ("no contest") no cartel.

 

Jason explica a proibição da máscara

 

Quem viu o choro de Rony Jason a caminho do octógono do UFC 147 imaginou que ele estivesse emocionado por estar prestes a lutar em um evento daquele porte. No entanto, o campeão peso-pena do TUF Brasil, que conquistou o título e o contrato com o Ultimate ao derrotar Godofredo Pepey por decisão unânime dos jurados, na noite de sábado, em Belo Horizonte, explicou após o combate que as lágrimas foram de decepção: a organização não permitiu que ele colocasse a máscara do Jason, sua marca registrada, provavelmente por causa dos direitos autorais do personagem de filmes de terror. Rony Jason entrou com a máscara na mão e foi seguido de perto por organizadores do evento. Chorando bastante, ele cedeu ao desejo e a colocou no rosto, mas não demorou nem cinco segundos para que um desses organizadores apressasse o passo e lhe tirasse o objeto à força.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.