quinta-feira, 22 de Março de 2012 17:34h Atualizado em 23 de Março de 2012 às 11:46h. Luciano Eurides

Rodada da Libertadores não entusiasma clubes brasileiros

O Vasco da Gama teve o meia Juninho Pernambucano como decisivo ao marcar o gol que abriu o placar da vitória por 2 a 0 sobre o Libertad paraguaio. O Inter sofreu para empatar em La Paz e o Corinthians venceu, mas não convenceu.
Juninho Pernambucano festejou uma boa atuação pela equipe carioca. "É um prazer, é prazeroso, como sempre falei, poder deixar alguma coisa no futebol. Além da paixão, o profissionalismo é fundamental no futebol e eu me sinto privilegiado por estar jogando aos 37 anos. Espero que ainda tenha muitos jogos para aproveitar e comemorar da melhor maneira possível", comemorou o experiente jogador, após o confronto que deixou o Vasco em uma situação mais confortável na competição continental, o time chegou aos mesmos sete pontos do Libertad, líder do Grupo 5 pelos critérios de desempate.
O empate por 1 a 1 com o The Strongest em La Paz, em duelo válido pelo Grupo 1 da Libertadores, foi arrancado no final do segundo tempo, com o gol marcado pelo atacante Gilberto, e celebrado pelo Internacional. Ao lembrar que o Santos e o Juan Aurich, do Peru, foram derrotados na Bolívia, o técnico Dorival Júnior classificou como valioso o ponto conquistado na quarta-feira. "É complicado jogar nesta altitude. Superamos várias dificuldades. Atuamos contra uma equipe que tirou pontos diante de todas as demais equipes do grupo. Este ponto tem um sabor especial", disse Dorival, que teve o discurso repetido pelos jogadores do Internacional.
Embora o Corinthians tenha vencido o Cruz Azul por 1 a 0, na noite da última quarta-feira, no Pacaembu, e assumido a liderança do Grupo 6 da Copa Libertadores, o técnico Tite mostrou certa irritação ao comentar, após o confronto, o fato de a sua equipe ter voltado a vencer com dificuldade, pelo placar mínimo, o que se tornou uma rotina na maioria dos triunfos da equipe desde o ano passado. O treinador destacou que o goleiro do time mexicano estava inspirado, que a equipe corintiana criou várias oportunidades de gols e poderia ter vencido de forma mais tranquila se não fosse a atuação de Corona. "O goleiro estava numa noite impressionante, 'tinha imã' e a bola estava nele. Temos de ver as finalizações, e as oportunidades que nós tivemos, e hoje (quarta) o time teve essa precisão (nos arremates). Mas o importante é a tranquilidade de saber que, repetindo esse padrão (de atuação), as vitórias poderão vir com placar mais elástico", analisou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.