sexta-feira, 29 de Junho de 2012 10:33h Atualizado em 29 de Junho de 2012 às 10:38h. Gazeta do Oeste

Ronaldinho jogará pela última vez no estádio Olímpico

No ano passado, Ronaldinho já havia retornado ao Olímpico, após a sua saída do Grêmio. Foi com a camisa do Flamengo. Ele saiu derrotado de campo, por 4 a 2. O objetivo é se despedir com vitória

Falar em Ronaldinho Gaúcho e Grêmio, nos dias atuais, é sinônimo de polêmica e episódios negativos. Diferentemente da associação de pode ser feita entre o meia-atacante e o estádio Olímpico.

 

Ronaldinho começou a mostrar seu talento para o Brasil e o mundo no Olímpico, no início da sua carreira com a camisa gremista. E o jogo entre Atlético e o Tricolor Gaúcho, no próximo domingo, deverá marcar justamente a última partida do meia no palco que o revelou.

 

Isso porque, a partir da próxima temporada, o Grêmio vai mandar seus jogos na Arena Grêmio, prevista para ser concluída em dezembro deste ano. O Olímpico será repassado para a construtora OAS, que pretende construir prédios comerciais e residenciais no local.

 

Gre-Nal inesquecível, contra Dunga

 

Um dos momentos mais marcantes, em campo, para Ronaldinho no Olímpico, foi na final do Campeonato Gaúcho de 1999. O terceiro jogo, que sacramentou o título, foi marcado por dribles desconcertantes do meia, então com 19 anos, em cima de Dunga, capitão do tetracampeonato mundial do Brasil.

 

O ex-jogador Cleisson, que defendia o Grêmio na época, recorda o jogo, vencido por 1 a 0, com gol do próprio Ronaldinho. “Naquela época o Ronaldinho estava voando. Era novo, muito técnico e muito rápido. O Dunga estava praticamente em fim de carreira. Foram dois lances que realmente impressionaram muita gente, pela qualidade. Por ser o Dunga, deu uma repercussão muito grande”, afirma ao Superesportes.

 

A convivência de Ronaldinho com os companheiros de Atlético é tranquila e positiva até o momento. No Grêmio, quando jovem, o meia conquistava os companheiros, segundo Cleisson, com sua simpatia.

 

“Ronaldinho sempre foi simples, brincalhão, de grupo, descontraído e alegre. Mesmo com pouca idade, já respeitava a todos. O pessoal do Grêmio, diretoria e presidência, sabia que ele ia estourar”, afirma o ex-atacante e volante, que também defendeu Atlético e Cruzeiro.

 

Dos sete aos 20 anos

 

Ronaldinho confirma as boas lembranças do Olímpico. Boa parte da sua infância e adolescência foi vivida no estádio.

 

“Tenho lembranças maravilhosas dos meus sete aos meus 20 anos lá dentro. Conhecia todo mundo, do pessoal da limpeza ao presidente. São muitas histórias na cabeça. É sempre uma motivação jogar lá”, afirma.

 

No ano passado, Ronaldinho já havia retornado ao Olímpico, após a sua saída do Grêmio. Foi com a camisa do Flamengo. Ele saiu derrotado de campo, por 4 a 2. Desta vez, o objetivo é se despedir do estádio com um triunfo.

 

 

 

ESTADO DE MINAS

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.