terça-feira, 22 de Setembro de 2015 11:44h

São Victor defende sétimo pênalti atuando pelo Atlético­MG

Dátolo foi o grande nome do Atlético na vitória sobre o Flamengo, neste domingo, no Independência

Mas se não fosse o goleiro Victor, a história poderia ter sido diferente. O camisa 1 defendeu um pênalti aos oito minutos do primeiro tempo, quando a partida ainda estava empatada em 0 a 0, o que deu novo ânimo ao time para buscar a vitória por 4 a 1.
Antes do duelo contra o Rubro­Negro, Victor foi homenageado pela diretoria atleticana pelos 200 jogos com a camisa alvinegra completados na goleada por 4 a 0 para o Santos, na última quarta­feira. Se o confronto que registrou a marca histórica do goleiro não trouxe boas lembranças, a partida número 201 foi especial: a defesa do pênalti cobrado por Alan Patrick foi o sétimo evitado por ele no clube. “Soubemos reagir, a equipe cresceu demais depois do pênalti e, a partir dali, conseguiu fazer um grande jogo”, declarou Victor após a vitória sobre o Flamengo.
No fim de semana passada, Victor já tinha salvado o Atlético nos acréscimos do clássico contra o Cruzeiro. O time tinha acabado de empatar a partida, quando Jemerson derrubou Willian. O atacante cruzeirense foi para a cobrança e o goleiro pegou no canto. No Campeonato Mineiro deste ano, o goleiro defendeu um pênalti cobrado por Bruno Aquino, do Mamoré. Na Libertadores de 2013, Victor foi fundamental nas cobranças de penalidades, evitando o gol de Maxi Rodriguez, do Newell’s Old Boys, nas semifinais, e de Miranda, do Olimpia, na grande final.
A defesa mais famosa do goleiro atleticano aconteceu também na Libertadores de 2013. Nas quartas de final, contra o Tijuana, Victor defendeu cobrança de Riascos aos 48 minutos do segundo tempo, evitando a desclassificação alvinegra. O primeiro pênalti defendido por Victor no Atlético aconteceu em 2012, diante do Náutico.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.