sexta-feira, 27 de Janeiro de 2012 13:53h Atualizado em 27 de Janeiro de 2012 às 13:54h. Luciano Eurides

SEL tenta resgatar voleibol divinopolitano

Com um olhar voltado a necessidade de uma equipe de competição e manutenção da tradição esportiva da cidade, a Secretaria de Esportes e Lazer tenta trazer uma equipe de nível nacional para a cidade e hoje essa realidade está mais próxima

Historicamente, Divinópolis é amante do voleibol. Isso é um fato inegável e por muitos anos os praticantes e torcedores tiveram o espaço reduzido e as dificuldades crescentes. Poucas praças esportivas e a necessidade de buscar a capital mineira para assistir a uma partida de qualidade, acabam desestimulando os futuros talentos.
Com um olhar voltado a necessidade de uma equipe de competição e manutenção da tradição esportiva da cidade, a Secretaria de Esportes e Lazer tenta trazer uma equipe de nível nacional para a cidade e hoje essa realidade está mais próxima, tanto pela proximidade com as empresas gestoras do marketing, quanto na possibilidade da instalação do programa VivaVôlei.
Rominho Duarte comenta as dificuldades naturais em se trazer uma equipe de ponta. “Na verdade já fomos prospectados por dois grandes times, buscamos um. Quando assumimos o governo, me lembro que ficamos sabendo do time da Sada, tentamos um contato quando já era Cruzeiro, mas o Poliesportivo não estava pronto e nem teríamos tempo. O treinador é de Itabira e já tem uma herança de lá, e os times hoje trabalham numa perspectiva de marketing e torcida é muito importante”, disse e continuou contando os trabalhos já realizados. “Depois fomos prospectados poruma empresa de marketing, a ideia era trazer um time do Rio Grande do Sul, do segmento farmacêutico, só que naquele momento ficava fora da nossa capacidade de investimento. Ano passado fomos procurados por uma empresa com investimento de empresas mineiras, começamos a conversar, no caso, cederíamos apenas o nome e o ginásio. Solicitamos um fomento da base, não avançou, depende mais das garantias de investimento que das cidades, deixamos registrado a nossa intenção”, disse.
Para o secretário, Divinópolis tem sim um posicionamento estratégico e acredita na necessidade de construir um caminho. “Já fizemos um contato com a Federação Mineira de Voleibol, com a Confederação e devemos ir ao Rio de Janeiro para buscar um projeto, o VivaVôlei que deve atender a cerca de 400 crianças. É um convênio, depende de um trânsito com a Federação. Aguardamos os profissionais do marketing e de fortalecer nossa base. Temos feito nossa parte e a visão tem sido profissional”, garantiu.

VIVAVÔLEI

O VivaVôlei é um Projeto de iniciação ao voleibol cuja diretriz é educar e socializar meninos e meninas de 7 a 14 anos através do esporte. O Projeto foi iniciado em 1999 pela Confederação Brasileira de Voleibol (CBV), a entidade máxima da modalidade no país e em 2003 a CBV criou o Instituto VivaVôlei (OSCIP) para gerenciar o Projeto.

O projeto VivaVôlei tem a chancela e o apoio institucional da UNESCO, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Através desta parceria, os professores do VivaVôlei são capacitados para desenvolver nos alunos uma cultura de paz, baseada na inclusão do outro, através da cooperação, da socialização, do diálogo, do respeito e da criação de um espaço saudável de convivência.
Com isso, o VivaVôlei transcende ao que muitos pensam ser somente um programa esportivo. Na realidade, o VivaVôlei é um programa social que utiliza o esporte como ferramenta de educar e socializar as crianças, cumprindo assim o dever que a constituição brasileira estabelece: "o esporte é um direito de todos". 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.