segunda-feira, 14 de Março de 2011 00:00h

Sem Tardelli, Atlético-MG aciona reservas para empatar com o Ipatinga

No primeiro jogo sem o atacante Diego Tardelli, que se transferiu para o Anzhi Makhachkala, da Rússia, o Atlético-MG precisou acionar o ataque reserva no segundo tempo, com Jobson e Wesley, para arrancar o empate com o Ipatinga, por 2 a 2, na tarde deste domingo, no Ipatingão, no reencontro da equipe com o ex-atacante Guilherme, atual treinador do time da casa.

O ex-artilheiro defendeu o time mineiro entre 1999 e 2002. Depois de uma passagem por empréstimo pelo Corinthians, voltou ao clube atleticano em 2003. Em 205 jogos com a camisa alvinegra, o atacante marcou 139 gols. Foi bicampeão mineiro em 1999 e 2000 e ajudou a levar o alvinegro mineiro à final do Campeonato Brasileiro em 1999. Na decisão o Corinthians foi campeão.

Com o empate neste domingo, o Atlético que completou seu segundo jogo seguido sem vitória pelo Campeonato Mineiro, permanece em terceiro lugar, com 13 pontos, três a menos que o América, vice-líder e o rival Cruzeiro, que assumiu a primeira colocação.

Por sua vez, o Ipatinga, que com a vitória estava ganhando três posições, com o ponto conquistado diante do Atlético conseguiu o primeiro objetivo que era sair da zona de rebaixamento. O time comandado pelo técnico Guilherme chegou aos três pontos, ultrapassando o Funorte e também o Democrata-GV, pelo saldo de gols, já que o time de Governador Valadares, com a goleada sofrida para o Cruzeiro, por 7 a 0, ficou com -11 de saldo.

O ex-atacante que assumiu o comando do Ipatinga há quatro jogos, com a equipe em situação delicada no Estadual, permanece invicto. Guilherme conquistou duas vitórias, nas partidas contra o Rio Branco-ES pela Copa do Brasil e dois empates, contra o Democrata-GV e agora Atlético, ambos pelo Campeonato Mineiro.

Em seu primeiro jogo sem Diego Tardelli no ataque, o Atlético manteve a média de marcar dois gols por jogo na temporada de 2011, porém, sentiu a ausência do seu principal avante. Principalmente no primeiro tempo, com Neto Berola e Ricardo Bueno entre os titulares, quando o sistema ofensivo pouco criou.

No segundo tempo, logo no intervalo, o técnico Dorival Júnior precisou voltar para o banco de reservas para mudar a postura da equipe. Com a entrada do Jobson na vaga de Ricardo Bueno e Wesley em lugar de Leandro, o Atlético mudou, foi melhor e conseguiu o empate.

O jogo

O Ipatinga iniciou a partida melhor, mais bem distribuído em campo e aproveitando os espaços no meio de campo do Atlético-MG, os donos da casa levaram perigo ao gol de Renan Ribeiro logo de cara. Aos quatro minutos, Réver desvia uma cobrança de escanteio de cabeça e acerta o próprio travessão.

O ataque pouco se movimentava e era facilmente marcado pela defesa do Ipatinga. Pela primeira vez atuando como titulares, Neto Berola e Ricardo Bueno mostraram desentrosamento. O camisa 9 buscou jogo, mas pecava no passe e na finalização.

A dupla de defesa atleticana formada mais uma vez por Réver e Werley, que atuam juntos desde a temporada de 2010, mostrava nervosismo e dificuldades para sair jogando, com clara falta de entrosamento. Em uma das jogadas erradas, o camisa 3 atleticano escorregou, foi desarmado por Thiago Santos, que finalizou errado, cara a cara com Renan Ribeiro.

O Ipatinga, aos poucos foi dominando a partida, trocava passes no meio de campo e aproveitava o nervosismo do Atlético, que não se acertava em campo. Sem inspiração alguma no ataque, o time comandado pelo técnico Dorival Júnior criou a sua primeira oportunidade de gol apenas aos 25 minutos, quando Neto Berola recebeu cruzamento, ajeitou com o braço e finalizou para o fundo das redes. O juiz anulou o gol e aplicou o amarelo ao atacante.

Depois de desperdiçar seguidas chances de gols, o Ipatinga conseguiu abrir o placar aos 38 minutos da primeira etapa. Leo Medeiros arriscou de longe, Renan Ribeiro falhou ao tentar fazer a defesa, a bola bateu na trave esquerda e voltou nos pés de Alessandro, que marcou o primeiro gol do jogo. Após abrir o placar, a equipe do Vale do Aço seguiu melhor em campo e perdeu novas chances de ampliar o marcador.

O segundo tempo voltou bastante movimentado e bem diferente da primeira etapa. O técnico Dorival Júnior promoveu duas modificações no Atlético no intervalo. Com Jobson na vaga de Ricardo Bueno e Wesley em lugar de Leandro, o alvinegro mineiro partiu para o ataque, pressionando o Ipatinga.

Logo no primeiro minuto, em jogada individual de Jobson, o atacante tocou para Neto Berola, que sozinho empatou a partida. Com o gol, o camisa 9 se isolou na artilharia do Atlético na temporada, com sete gols. O Atlético se animou com o primeiro gol e quase conseguiu a virada, em nova jogada envolvendo Jobson, que tocou para Renan Oliveira, que pecou na finalização.

Porém, com o ímpeto para conseguir a virada, o Atlético deu espaços na defesa e em novo vacilo do lado esquerdo, o Ipatinga, aproveitou para ficar a frente do marcador mais uma vez. Em jogada de Rodrigo Antonio, o meia toca para Thiago Santos, que sozinho marcou o segundo tento ipatinguense.

Depois de acertar em campo e na base do abafa, o Atlético partiu para cima do Ipatinga. Com boa atuação de Jobson, que infernizou o sistema defensivo do Ipatinga, o alvinegro mineiro chegou ao empate, com Renan Oliveira, aos 32 minutos, recebendo passe de calcanhar do zagueiro Réver. Após o segundo gol, o time comando por Dorival Júnior seguiu pressionando e desperdiçando chances de chegar a virada.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.