terça-feira, 19 de Maio de 2015 10:48h Atualizado em 19 de Maio de 2015 às 10:51h. Luciano Eurides

Sevilha é o campeão do Copão Interlagos

O jogo final do Copão Interlagos foi realizado na manhã do último domingo (17), no Centro Social Urbano (CSU)

A final envolvia Sevilha e União Desportivo, o tempo normal terminou sem gols e nos pênaltis, o time da casa venceu e comemorou com o troféu de campeão.

A partida foi burocrática. As equipes, com propostas totalmente diferentes, se anularam. Foi um União Desportivo aplicado em anular as forças do Sevilha. Eram muitos os pontos fortes do adversário e para se defender, o time do bairro Planalto acabou abrindo mão de jogar. O Sevilha procurava quebrar a forte marcação do União, mas dentro de um limite. Não foi ousado, mas se movimentou e tentou, com uma margem grande de segurança, forçar a defesa adversária. Nenhum se arriscou e o resultado foi 0x0.

O reflexo de uma ousadia poderia ser a vitória sem a necessidade de pênaltis ou mesmo a derrota sem a chance das cobranças. O risco era medido a cada lance. O União mais tentava segurar o adversário. O Sevilha tinha o controle do jogo, mas não conseguia concretizar as jogadas em gols. Ainda no primeiro tempo, o União perdeu dois jogadores. Keven deixou o campo com muita febre e Guilherme Rosquinha, atleta de muita marcação, foi quem entrou. Paulo Henrique saiu com uma contusão aparentemente séria no joelho direito. Pablo Ferreira (Japão) foi acionado e o time deveria sair um pouco da marcação, fato que não ocorreu.

Na segunda etapa, o jogo iniciou na mesma perspectiva, coube ao União os chutes de fora da área e o Sevilha variava as jogadas, mas o goleiro do União não foi tão acionado quanto no inicio da partida. O Sevilha modificou a equipe, mas nada tão ofensivo, destaque para Natan que fez três posições diferentes em uma mesma partida. O coringa mostrou ampla eficiência tática, ele iniciou no meio, foi para uma lateral e Tulio jogou no meio, com a entrada de Marcelinho, o então volante Tulio foi para a zaga, Natan ainda ocuparia a lateral esquerda ou terceiro zagueiro. No ataque, o Sevilha iniciou com Michel e Fabrício, terminou com Rafael e Ricardinho, mas nada de gols.

O excesso, esse pode ser o principal culpado de uma partida sem gols. Cautela demais por parte dos treinadores. Número excessivo de faltas na partida. A bola pouco rolava, a média de cada três toques na bola a falta cometida. Se o árbitro adota o critério de número de faltas por atletas, seriam no mínimo seis expulsões, sendo três de cada lado, mas ele adotou o critério da violência, e neste quesito o jogo foi limpo. Embora muitas faltas, todas dentro da normalidade. O trio foi bem na partida e não influenciou no resultado do jogo.

Depois de muito tocar a bola e esperar o erro do adversário, as equipes se viram na decisão por pênaltis. Nas cobranças, o goleiro Henrique Queijinho defendeu a cobrança de Alex e garantiu o título. Os cobradores da equipe do Interlagos conseguiram 100% de aproveitamento com Diego Doidera, Eduardo, Leandro Oreia, Rafael e Jeferson Pelada, que fechou as cobranças e comandou a festa. Pelo União Desportivo, assinalaram Fred, Vica, Felipinho e Pablo Japão.

Ao final, houve a premiação apenas das equipes participantes da partida. O Sevilha recebeu o troféu de campeão e o União Desportivo vice-campeão. Não houve anúncio de artilharia, goleiro menos vazado ou atleta revelação.

O União Desportivo anunciou que a próxima competição em que a equipe irá participar será o Torneio do Planalto, em que é o atual campeão e defenderá o bicampeonato. Já o Sevilha, não confirmou, mas os jogadores devem participar da Copa Rural, muitos deles pelo Choro, outros pelo Cacôco.

 

 

 

Créditos: Luciano Eurides

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.