quinta-feira, 4 de Setembro de 2014 06:19h Atualizado em 4 de Setembro de 2014 às 06:21h.

STJD decide excluir Grêmio da Copa do Brasil por racismo contra goleiro Aranha

Clube gaúcho também levou multa de R$ 50 mil por ofensas contra o goleiro

O Grêmio está excluído da Copa do Brasil. A decisão ocorreu após julgamento no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) na tarde de ontem.

Em quase quatro horas de sessão no Rio de Janeiro, os auditores resolveram, unânimes em 5 a 0, pela punição após denúncia feita pela procuradoria, baseada no artigo 243-G (e seus parágrafos) do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). O caso ocorreu na última quinta-feira, quando o goleiro do Santos, Aranha, foi alvo de injúrias raciais por parte de torcedores gremistas, no 2 a 0 do clube paulista, pelo jogo de ida das oitavas – a volta estava suspensa.


Assim, o Peixe está classificado para as quartas do torneio, no aguardo do vencedor do confronto entre Botafogo e Ceará. A chave está paralisada até o julgamento no Pleno, uma vez que o Grêmio irá recorrer. O clube foi multado em R$ 50 mil, mas não perdeu mando de campo por "ato discriminatório".


A decisão não é definitiva. Cabe recurso, com novo julgamento em segunda instância no Pleno do STJD, a ser marcado em 15 dias. O quarteto de arbitragem também foi denunciado pela procuradoria por não ter colocado o episódio relatado por Aranha na primeira versão da súmula. Wilton Pereira Sampaio acabou suspenso por 90 dias, enquanto os auxiliares pegaram gancho de 60 dias. O Grêmio ainda foi julgado por arremesso de objeto e o Santos por atraso na volta do intervalo, ambos levando multas de R$ 2 mil e R$ 4 mil, respectivamente.

 

 

Árbitro também foi julgado
O árbitro da partida, Wilton Pereira Sampaio, também foi julgado pelo STJD, assim como seus assistentes Kléber Lúcio Gil e Carlos Berkenbrock, e o quarto árbitro, Roger Goulart. Wilton Pereira, por não ter relatado na súmula do jogo o acontecido com Aranha, e seus auxiliares, por não terem falado ao árbitro os xingamentos da torcida gremista.


Wilton Pereira defendeu-se da acusação alegando que não escutou nada e que, se tivesse conhecimento dos xingamentos, teria suspendido a partida. Quando ficou sabendo do incidente, ao chegar ao hotel, resolveu fazer um adendo ao STJD. “Chegando ao hotel, junto com minha equipe de arbitragem, fiquei assustado com as reportagens sobre a questão e, para não passar em branco, fiz o adendo sobre o ocorrido.”

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.