sábado, 1 de Dezembro de 2012 05:15h Gazeta do Oeste

Toninho Cecílio muda estilo durão no Paraná e cobra ousadia para 2013

O treinador Toninho Cecílio chegou com uma imagem de ser nervoso, mas termina o ano com uma característica oposta. Paciente, ele foi um dos principais intermediadores entre jogadores e diretoria, durante a crise com o atraso nos pagamentos dos salários. Em campo, conseguiu dar ânimo e força para o elenco interromper a queda livre na Série B e terminar com o time na 10ª posição e quase impedir o acesso do rival Atlético-PR com o empate na última rodada.

Com contrato até o final do Campeonato Paranaense, Toninho aproveita o término da competição para ficar com a família no interior paulista. Em entrevista exclusiva ao GLOBOESPORTE.COM, por telefone, o comandante paranista fala sobre a fama de ser irritado, os desafios ao assumir o Tricolor e como ajustar um time com tantos problemas internos.

Toninho conta que a experiência administrativa no futebol ajudou a entender o que acontece nos bastidores paranista. Junto com a diretoria, ele assumiu um papel importante, que passa dos limites do gramado. O treinador atua como um conselheiro, olheiro e auxiliar do gerente Alex Brasil. Em todas as reuniões sobre planejamento, ele está presente de alguma forma. Mesmo sem estar em Curitiba, conversa com os dirigentes, em média, quatro vezes por dia.

O currículo de Toninho Cecílio contribui para isso. Além de treinar Avaí, São Caetano, Vitória e Guaratinguetá, ele foi gerente de futebol no Palmeiras e Fortaleza. Com 45 anos, o técnico é formado em Publicidade e Propaganda e concluiu o Curso Internacional de Treinadores de Futebol, em 2001.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.