segunda-feira, 23 de Setembro de 2013 09:37h

Torben Grael, bicampeão olímpico e técnico da equipe brasileira de vela, analisa a modalidade em visita ao Ministério do Esporte

O secretário de Alto Rendimento do Ministério do Esporte, Ricardo Leyser, recebeu na sexta-feira (20.09) o velejador Torben Grael, bicampeão olímpico e agora técnico da equipe brasileira de vela. Eles conversaram sobre a preparação para os Jogos Olímpicos

O secretário de Alto Rendimento do Ministério do Esporte, Ricardo Leyser, recebeu na sexta-feira (20.09) o velejador Torben Grael, bicampeão olímpico e agora técnico da equipe brasileira de vela. Eles conversaram sobre a preparação para os Jogos Olímpicos do Rio 2016 e o apoio que os atletas necessitam para competições e treinamentos durante o ciclo olímpico. Um dos apoios do governo federal será a Bolsa Atleta Pódio, que vai contemplar os iatistas mais bem colocados no ranking internacional da vela. Os demais continuarão recebendo a Bolsa-Atleta, que hoje apóia 176 velejadores de diferentes modalidades.

Outro ponto da pauta foi a estruturação da nova Confederação Brasileira de Vela (CBVela), criada há pouco tempo e ainda impossibilitada de receber recursos do ministério. Torben disse que a ideia da confederação é que os atletas de ponta aproveitem as condições oferecidas pelo Plano Brasil Medalhas para assegurar sua estrutura de treinamentos e competições, e que os recursos da Lei Agnelo/Piva sejam direcionados à base do iatismo, “para que não se mate a vela”.

Ambos conversaram também sobre a possibilidade de o Ministério do Esporte apoiar reforma e equipagem do Rio Yacht Club, de Niterói, que completa 100 anos em 2014. Entre os sócios do clube, cinco trouxeram 12 medalhas brasileiras em Jogos Olímpicos. O próprio Torben conquistou cinco, Marcelo Ferreira, três, Lars Grael, duas, Clinio de Freitas e Isabel Swan, uma cada. O secretário explicou que o clube pode apresentar projetos na chamada pública que o ministério vai abrir em breve para entidades privadas e lembrou que, por meio de convênios, o Ministério do Esporte vem conseguindo estruturar vários clubes em diversos estados.

Torben disse ao secretário Leyser que agora tem “quatro chapéus” – como presidente do Projeto Grael, comodoro do Rio Yacht Club, vice-comodoro da Associação Brasileira de Veleiros de Oceano e agora técnico da equipe brasileira de vela – e só tem a agradecer ao ministério. “O Projeto Grael, por exemplo, se vale da Lei de Incentivo ao Esporte. E nossos atletas de alto rendimento, no geral, têm a Bolsa-Atleta, que é muito importante para mantermos a geração da Fernanda Oliveira (medalhista olímpica da classe 470), da Patrícia Freitas (sétima no Mundial de RS-X) e outros velejadores."

Campeões mundiais
Em meio à conversa, o velejador recebeu um telefonema de Lucas Mesquita, que tinha acabado de se tornar campeão mundial júnior da classe Snipe com o proeiro Douglas Gomm, ambos colegas de clube dos Grael. O secretário Leyser perguntou então da equipe brasileira e Torben comentou: “Temos um time jovem muito bom e um grande campeão, o Robert Scheidt”.

Torben comentou a carreira de Jorge Zarif, de 21 anos, que recentemente foi campeão mundial de Finn (em Tallinn, na Estônia). “O Jorginho encontrou condições muito favoráveis e ganhou. Ele reconhece que ainda tem de melhorar muito, mas soube aproveitar as chances. Temos um potencial muito bom para os Jogos do Rio de Janeiro em 2016."

torben, grael, bicampeao, olimpico, tecnico, equipe, brasileira, vela, analisa, modalidade, visita, ministerio, esporte

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.