segunda-feira, 15 de Abril de 2013 05:59h Divulgação

Torcedores do Atlético e do Cruzeiro criam páginas no Facebook contra homofobia no futebol

Expressões sexistas e homofóbicas são comumente usadas por torcedores de times de futebol na tentativa de ofender rivais, jogadores alvos de críticas ou até mesmo árbitros que falham em lances importantes.

Expressões sexistas e homofóbicas são comumente usadas por torcedores de times de futebol na tentativa de ofender rivais, jogadores alvos de críticas ou até mesmo árbitros que falham em lances importantes. “Maria”, “Rosana”, “veado”, “bichinha”, palavras que invadem as arquibancadas e podem parecer inofensivas para algumas pessoas, mas, na realidade, demonstram a intolerância da sociedade diante das diferenças. Com o objetivo de combater o preconceito, um grupo de torcedores do Atlético Mineiro abriu uma página no Facebook que vem dando o que falar na rede.
A “Galo Queer” foi fundada na última terça-feira (9) e, em apenas dois dias, já foi “curtida” por mais de dois mil usuários. “Movimento anti-homofobia e anti-sexismo no futebol dos torcedores do Atlético Mineiro, vulgo Galo Doido. Porque paixão pelo Galo não tem nada a ver com intolerância”, esclarece a descrição da página.
A iniciativa vem recebendo apoio de alguns internautas e críticas de outros. A “Galo Queer” vem recebendo ameaças de torcedores que são contra a ideia. “Não pretendemos tirar a fan page do ar. Muita gente está apoiando e agora temos vários administradores”. Atleticana desde criança, a criadora da página decidiu propor a discussão da homofobia nos estádios após acompanhar uma partida do Atlético Mineiro. “Estava morando fora do país e, ao voltar para as arquibancadas daqui, notei como tratam as ofensas com naturalidade. Ser homofobico também engloba agressões verbais”, explicou a jovem.
A ideia também inspirou cruzeirenses que também são contra a homofobia. Nesta quinta-feira (11) entrou no ar a fan page “Cruzeiro / Anti-homofobia”. “Futebol é diversidade e não um ambiente hostil que incita violência e preconceito!”, diz um trecho da descrição da página que se propõe a debater os preconceitos de gênero e articular politicamente os torcedores da Raposa. “Não é preciso ser gay para apoiar o combate à homofobia”, afirmam os responsáveis pela iniciativa.
Os administradores do ”Cruzeiro / Anti-homofobia” também contaram ao portal Bhaz que estão recebendo ameaças. Eles se inspiraram na iniciativa dos rivais para fundar a página. “Estamos cientes que terá torcedores que apoiarão e torcedores que não apoiarão a iniciativa. Os mais conservadores tendem a ser até mais agressivos na forma de expressar a sua opinião contrária, ora porque são contra o movimento, ora por medo de a página ser motivo de piadas preconceituosas de rivais contra o nosso time. O nosso objetivo é justamente esse, mostrar que a orientação sexual diferente não é mais motivo de ofensa ou xingamento, com o intuito de ofender o outro. Atualmente, não cabe mais esse tipo de ‘brincadeira’, até porque existem muitos torcedores homossexuais que acompanham o time de coração tão fielmente quanto torcedores heterossexual”, explicou um dos responsáveis pela página em mensagem enviada ao portal Bhaz.

 

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.