sexta-feira, 4 de Setembro de 2015 10:11h

Torcida, jogadores e diretoria culpam arbitragem do jogo do Galo

Mais uma vez, a arbitragem chamou a atenção no jogo do Atlético

Após ter alguns impedimentos assinalados de forma equivocada, o time alvinegro ainda sofreu um gol de pênalti, que foi muito contestado pelos jogadores. Resultado: derrota por 1 a 0 para o Atlético-PR, no Independência, e uma freada na caça ao líder Corinthians.
Os jogadores do Atlético ainda reclamaram da expulsão de Marcos Rocha ainda no primeiro tempo. O lateral, que já tinha cartão amarelo, não gostou da marcação do árbitro e foi advertido pela segunda vez. O protesto é por causa do primeiro cartão que, na visão dos atletas, não era para ser dado.
Por outro lado, o time também desperdiçou muitas chances para empatar e até virar a partida. Com maior domínio, o Galo pressionou, criou bastante, mas pecou nas finalizações.
Com o resultado, o Atlético parou nos 42 pontos e viu a diferença de quatro pontos para o Corinthians aumentar para sete. Isso porque o time paulista venceu o Fluminense por 2 a 0, em Itaquera. Já o Furacão, que não tem nada a ver com os erros da arbitragem, foi beneficiado pelos tropeços dos concorrentes e entrou no G-4, com 36 pontos.
Na próxima rodada, o Atlético visita o lanterna Vasco, sábado, às 19h30, no Maracanã. Já o Atlético-PR encara o Joinville, sábado, às 21h, na Arena da Baixada, em Curitiba.
O presidente do Atlético, Daniel Nepomuceno, disparou contra o mandatário da comissão de arbitragem da CBF, Sérgio Corrêa, após a derrota por 1 a 0 para o Atlético-PR, nesta quarta-feira, no Independência, pelo Campeonato Brasileiro. Revoltado com a atuação do árbitro Marcelo de Lima Henrique, o dirigente alvinegro não deixou ninguém do clube dar entrevista depois da partida e não poupou críticas ao comandante da arbitragem no país. “A mordaça do futebol já está vista. Erros atrás de erros e ninguém pode falar nada. O treinador não pode falar agora. Então, se for para suspender, vai ter que suspender o presidente. O senhor Sérgio não tem condições de pisar mais amanhã na CBF. Ele tem que ser afastado agora. Não adianta ficar presidente de clube toda semana tentando moralizar e ajudar a Confederação Brasileira de Futebol, sendo que esse senhor, que já reconheceu os erros que vêm acontecendo, passou do prazo e, principalmente, o limite de erros”, disse.
“O senhor Sérgio não pode mais entrar na CBF. O campeonato está acabando, acabando. Os profissionais da imprensa, os atletas, a torcida, todos nós chegamos no limite. Desculpe por não deixar ninguém do Atlético falar, porque são nesses detalhes e nessa intimidação que estão acabando com o nosso futebol”, completou.
Na partida desta quarta-feira, a arbitragem assinalou alguns impedimentos contra o Atlético que não existiram, além de ter marcado um pênalti duvidoso para o Atlético-PR. A expulsão de Marcos Rocha também foi questionada – neste caso, os atleticanos reclamaram do lance que originou o primeiro cartão amarelo, já que, no segundo, o lateral esbravejou pela não marcação de uma falta e foi advertido justamente.

Kalil chama árbitro de 'vagabundo e ladrão'
Pelo Twitter, o ex-presidente do Atlético, Alexandre Kalil, também criticou o presidente da comissão de arbitragem da CBF e chamou o juiz Marcelo de Lima Henrique de 'vagabundo e ladrão'.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.