terça-feira, 1 de Fevereiro de 2011 00:00h

Treinador do cruzeiro gostou da disposição em campo

O técnico Cuca fez sua análise do jogo, em entrevista coletiva no estádio Arena do Jacaré, após a vitória por 3 x 0 sobre a Caldense. O treinador avaliou a atuação dos atletas e frisou que a equipe teve o domínio do jogo do inicio ao fim, enalteceu a atuação dos atletas que foram lançados na etapa final da partida.
O treinador ficou satisfeito com a estreia da Raposa no Campeonato Mineiro. “Fomos bem nos primeiros 25 minutos de jogo. Depois que a Caldense teve uma oportunidade numa linha de impedimento mal feita que fizemos, eles levaram perigo. Nossa segunda parte do primeiro tempo não foi boa. Na segunda etapa tentamos soltar mais, fizemos alterações, passamos para três atacantes e levamos um problema maior para a Caldense. Quando a gente acertou os passes, aí ficou bom. Tivemos a eficácia de fazer o primeiro gol. E aí apareceu a qualidade, que mostramos no início, no primeiro tempo”, disse o treinador.
Cuca surpreendeu ao escalar o lateral-esquerdo Pablo no meio-campo, na vaga de Marquinhos Paraná, que foi vetado. O comandante da Raposa parabenizou o jogador por sua obediência tática e versatilidade, ao atuar como volante no primeiro tempo e como lateral-direito na etapa final. O técnico celeste afirma que o Cruzeiro ganhou mais um atleta polivalente. “Ele foi bem no meio-campo. E depois na lateral quando colocamos o Wallyson na vaga de Rômulo. A gente ganhou uma peça importante. Marcou bem, saiu para o jogo. Vai pegando confiança. Futebol é confiança”, comentou.
Autor do primeiro gol do Cruzeiro na goleada de 3 x 0 aplicada sobre a Caldense na tarde deste domingo, na Arena do Jacaré, o atacante Wellington Paulista mostrou que não abre mão de ser o camisa 9 que a China Azul tanto quer. O artilheiro afirma que a cobrança da torcida para que ele faça muitos gols serve como fator de motivação.
O jogador não hesitou em pegar a bola para cobrar o pênalti em favor do Cruzeiro, no segundo tempo do jogo válido pela 1ª rodada do Campeonato Mineiro. Paulista comentou que estava com muita gana de balançar as redes e isso deu confiança para cobrar a penalidade. A vontade do atleta ficou evidente na maneira como marcou o gol, em um chute forte e indefensável. “Coincidência ou não, ano passado, quando os pênaltis saíram, eu estava contundido e o Montillo acabou batendo. Quando tem pênalti e estou no jogo peço para cobrá-lo. O treinador sempre deixa a disposição entre eu, Gilberto e Montillo. Estava confiante e consegui fazer o gol”, revelou.
Wellington Paulista confessou que não se incomoda com a cobrança dos torcedores, destacando que como atacante, sabe de sua função no futebol e não foge da responsabilidade. “A torcida sempre me cobra para fazer gols e acho isso interessante. É uma responsabilidade que sempre assumi desde que comecei a jogar futebol e graças a Deus tenho conseguido administrá-la bem”, afirmou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.