sábado, 4 de Agosto de 2012 09:48h Luciano Eurides

Victorino ganha Léo como companheiro de zaga

De volta ao time titular do Cruzeiro na vitória de 2 a 1 sobre o Palmeiras-SP, no último domingo, no Independência, o zagueiro uruguaio Mauricio Victorino foi convocado nesta semana para a seleção de seu país, para um amistoso contra a França, no próximo dia 15.

 


O jogador destacou que o fato de estar atuando pela Raposa é fundamental para que ele siga sendo chamado pelo técnico Oscar Tabárez. “É, é assim mesmo. Dar sequência aqui no Cruzeiro vai me dar mais possibilidades de ser convocado para a seleção. Mesmo sabendo que o grupo da seleção já está formado há algum tempo, há quatro ou cinco anos o grupo não muda muito. Mas, se você não joga, vai ficando mais difícil e vai dando mais espaços para os juvenis, da equipe sub-20, da seleção olímpica, que têm jogadores com possibilidades de jogar na seleção principal. Mas, tendo sequência e jogando no seu clube, as possibilidades de ser convocado são maiores”.

 


O defensor, que formou dupla com Thiago Carvalho contra o Palmeiras-SP, pode ter Léo como companheiro de zaga na partida de domingo, contra a Ponte Preta-SP, às 18h30, no Independência, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro. Victorino ressalta que o elenco dispõe de boas opções, que ajudam a ‘dificultar’ a escolha de Celso Roth. “A gente aceita todas as escolhas do treinador. No treinamento a gente tem que se acostumar e se adaptar a cada jogador. Temos um grupo grande e o Brasileirão é um campeonato longo, é muito difícil escalar o mesmo time em dois ou três jogos seguidos, muda muito. É um campeonato muito competitivo, jogos seguidos, lesões e suspensões. É muito difícil ter a mesma escalação do time em dois jogos seguidos. Neste caso, o treinador decidiu colocar o Léo, que vinha atuando todos os jogos, e vinha bem também. Temos que aceitar as escolhas e nos adaptar, como temos feito, para fazer o melhor em cada jogo”.

 


Por fim, Victorino foi perguntado se é feliz no Cruzeiro, e respondeu de imediato: “Claro! Estou bem aqui. Sempre falei que gosto muito da cidade, do Clube. Claro que ninguém gosta de ficar de fora, mas disse que minha cabeça sempre esteve no Cruzeiro. Se tivesse que sair seria pela única razão de poder jogar, mas, agora, voltei ao time titular e tenho que treinar ainda mais forte para poder me manter, o que é muito difficil, pois aqui tem muita competência na posição, o que faz os jogadores se entregarem ainda mais nos treinos. Temos que dar um problema para o treinador, para que ele tenha dificuldade em escolher pela boa qualidade dos jogadores. E, do jeito que o time está treinando, se dedicando no dia a dia, acho que o treinador tem tido dificuldade para fazer as escolhas. Isso é bom para fazer um time competitivo”.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.