terça-feira, 10 de Junho de 2014 04:53h

Willian ainda não é do Cruzeiro

Ao contrário do que foi divulgado pela imprensa ucraniana na sexta-feira passada, a proposta do Cruzeiro para aquisição definitiva de Willian ainda não foi aceita pelo Metalist, clube detentor dos direitos econômicos do atacante.

Quem garante é o próprio jogador, que passa férias em São Paulo e acompanha o passo a passo da negociação. “Estão saindo coisas na internet com muitas pessoas falando que está tudo certo, que eu vou ficar, mas não tem nada certo. Através dessa oportunidade, quero falar que não tem nada concretizado. Quando isso acontecer, tenho certeza que serei o primeiro a saber, juntamente com o Alexandre (Mattos), o presidente e meus empresários. Aí sim vamos divulgar com a maior alegria, a maior felicidade”, esclareceu.
O Metalist cobra 4 milhões de euros – cerca de R$ 12,2 milhões – para liberar Willian. O Cruzeiro estaria disposto a pagar tal valor de forma parcelada, o que não teria agradado aos ucranianos. Apesar do impasse, o atacante diz que a negociação evoluiu nos últimos dias. “O que tenho recebido de notícias dos meus empresários é que as coisas deram uma evoluída, eles estão sendo mais flexíveis. Então, acho que sempre na primeira oferta, pelo que eles falam, é normal eles recusarem, como aconteceu”, contou.
Segundo o atacante, a crise e os conflitos que ocorrem na Ucrânia têm tornado as negociações ainda mais arrastadas e complicadas. “A gente sabe que com essa crise toda que está tendo lá, não estão (empresários) tendo essa facilidade para conversar com o presidente diretamente, tem que passar por intermediários. Então, isso também dificulta um pouco”, afirmou.
Com contrato até o dia 14 de julho, Willian assegurou que viajará com o Cruzeiro no próximo dia 17 para os Estados Unidos, onde o clube realizará sua intertemporada, mesmo que a negociação não tenha sido finalizada.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.