segunda-feira, 20 de Abril de 2015 09:17h

Ações da Codevasf contribuem para recuperação e controle de processos erosivos nas bacias do São Francisco e do Parnaíba

A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação, FAO, elegeu 2015 como o ano internacional dos solos

A ideia é dar destaque a preservação deste recurso fundamental para a segurança alimentar do planeta. Ciente da importância dos solos a Codevasf investe na preservação, na recuperação e no controle de processos erosivos em Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Piauí e Ceará.

Umas das ações apoiadas pela Companhia é estruturação dos Centros de Referência em Recuperação de Áreas Degradadas (Crads). O apoio é realizado em parceria com os ministérios do Meio Ambiente e da Integração Nacional e universidades federais. A coordenadora do Crad da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Flávia Moura, destaca algumas atividades desenvolvidas no centro.
SONORA:  Flavia Moura

A empresa também investe no cercamento e na revegetação de nascentes, matas ciliares e áreas de topo de morro, e na contenção de barrancas, defletores e trincheiras. O engenheiro florestal da Codevasf, Silvano Ferreira, destaca a importância do trabalho.
SONORA:  Silvano Ferreira

No trecho denominado Ilha da Tapera, próximo ao município de Barra, na Bahia, a Codevasf e o Exército Brasileiro recuperaram cerca de 6 quilômetros de margens do rio São Francisco. O tenente Lucena, biólogo que trabalhou na obra de revitalização, fala dos resultados alcançados.
SONORA: Tenente Lucena

Desde 2011, estão sendo investidos pela Codevasf mais de R$ 200 milhões nessas ações. Os recursos são do Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, governo federal.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.