terça-feira, 24 de Novembro de 2015 11:33h

Ações de revitalização do São Francisco são apresentadas em simpósio na capital federal

Os desafios do desenvolvimento no Vale do São Francisco

Esse foi o tema da palestra ministrada pelo diretor da Área de Revitalização de Bacias Hidrográficas da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), Eduardo Motta, nesta terça-feira (24/11), no 12º Simpósio de Hidráulica e Recursos Hídricos dos Países de Língua Portuguesa (12º SILUSBA), que acontece em Brasília (DF).

A Companhia, juntamente com o Ministério da Integração Nacional (MI), também participa do evento com um estande institucional onde estão expostos materiais de divulgação das ações realizadas pela empresa. Um exemplar de pirá, peixe-símbolo do rio São Francisco, é a grande atração no espaço. O SILUSBA acontece paralelo ao XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos (XXI SBRH) até a próxima sexta-feira (27/11), no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

Eduardo Motta fez uma rápida explanação sobre os diversos segmentos de atuação da empresa – revitalização, infraestrutura hidráulica, irrigação e economia sustentável – enfatizando as ações do Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do São Francisco, coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente, em parceria com o Ministério da Integração Nacional, tendo a Codevasf como executora.

O diretor destacou os trabalhos desenvolvidos pela Companhia com foco na promoção da quantidade e da qualidade da água, visando a segurança hídrica na região. “Um dos grandes desafios diz respeito à infraestrutura hídrica. Precisamos cuidar da qualidade e da quantidade de água disponíveis”, ressaltou. De 2007 a 2015, a Codevasf investiu cerca de R$ 2,4 bilhões em esgotamento sanitário, implantação de sistemas de abastecimento de água, ligações intradomiciliares, controle de processos erosivos, destinação de resíduos sólidos e economia sustentável na bacia do São Francisco.

Ele também fez referências às perspectivas para os próximos dez anos, com relação à qualidade e quantidade de água disponível. “Um dos focos deve ser a revitalização hidroambiental de sub-bacias prioritárias visando aumentar a quantidade de água e diminuir sedimentos, por meio da revitalização de microbacias, recuperação/preservação de nascentes, contenção de margens e estabilização de voçorocas, além de otimizar o uso da água em perímetros de irrigação”, explicou Motta durante a apresentação.

A palestra de Eduardo Motta fez parte da sessão temática “Oito desafios cruciais para a gestão de uma grande Bacia Hidrográfica: o Rio São Francisco”, dentro do painel “Os desafios do desenvolvimento: as dimensões políticas, sociais e econômicas no São Francisco”.

Pirá, peixe símbolo do São Francisco

Além de ministrações de palestras, a Codevasf marca presença no evento com um estande institucional. A grande atração é um aquário contendo um peixe da espécie pirá, pesando cerca de 800g. O exemplar foi reproduzido no Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Três Marias, em Minas Gerais, instalado pela Codevasf.

O pirá, considerado símbolo do São Francisco, só existe nessa bacia em todo o planeta. Ele é utilizado em ações de repovoamento realizadas pela empresa no âmbito do Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco. Devido a ação predatória e outros fatores, a espécie está desaparecendo das águas do Velho Chico. No Baixo São Francisco, o peixe era encontrado em abundância. “No Submédio também não se encontra essa espécie. Só é encontrada de forma escassa no Médio São Francisco, na Bahia, e ainda no Alto São Francisco”, acrescenta Eduardo Motta.

Para ajudar a reverter essa situação, a Codevasf obteve, recentemente, autorização do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) para realizar atividades com finalidade científica como captura, reprodução, larvicultura, alevinagem, peixamento e monitoramento ictiológico de espécies nativas da Bacia do São Francisco, atendendo a um sonho antigo de resgatar espécies nativas do São Francisco, como o pirá.  A missão da Codevasf é a distribuição de reprodutores de Pirá para os sete Centros de Recursos Pesqueiros e Aquicultura da Codevasf existentes na bacia do rio São Francisco para, a partir de sua reprodução em laboratório, recompor essa espécie na bacia como um todo e, assim, salvá-la da extinção.

A Codevasf tem domínio da reprodução em laboratório de 35 espécies de peixes da Bacia do São Francisco, graças aos investimentos na estruturação de sete Centros de Recursos Pesqueiros e Aquicultura da Codevasf ao longo da Bacia do São Francisco, nos estados onde a empresa atua.

Sobre o evento

O XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos e 12º SILUSBA são promovidos pela Associação Brasileira de Recursos Hídricos (ABRH), Associação Portuguesa de Recursos Hídricos (APRH), Aquashare e Associação Caboverdeana de Recursos Hídricos (ACRH). Na intenção de alinhar o país às discussões internacionais em curso, os eventos também contribuirão com a preparação de Brasília e do país para sediar em 2018 o Fórum Mundial da Água.

O SBRH é considerado um dos maiores eventos na área de recursos hídricos do país, onde universitários, professores, empresários, consultores ambientais, representantes do governo em todas suas esferas, representantes de organismos não governamentais, estudantes entre outros, reúnem-se para trocar conhecimentos, experiências e buscar soluções para avançar na conservação da qualidade dos corpos hídricos do país, ampliar os serviços de saneamento e tentar garantir que a população tenha disponibilidade de água potável para suas necessidades.

Já o SILUSBA visa criar condições para uma reflexão sobre este tema tendo em vista perspectivas sinergias em termos institucionais, legislativos e técnico-científicos, através da partilha de conhecimento e experiências, da análise do papel da investigação e da inovação na criação de novas atitudes e soluções duráveis.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.