terça-feira, 31 de Julho de 2012 15:43h Gazeta do Oeste

Aumenta número de transplantes de órgãos em Minas

O Brasil registrou crescimento de 37% no número de transplantes de órgãos nos primeiros quatro meses deste ano com relação ao mesmo período do ano passado. Foram 7.993 procedimentos contra 5.842 em 2011, segundo dados divulgados ontem pelo Ministério da Saúde (MS). Em Minas Gerais, o crescimento foi de 54,6%, com 671 transplantes em 2012 contra 434 realizados no ano passado. O cirurgião cardiovascular Charles Simão Filho, diretor do MG Transplantes, vê os resultados como desafio para ampliar o sistema no estado, oferecer maior acesso aos pacientes e interiorizar os procedimentos, que na maioria são realizados em Belo Horizonte.

 

 

“No MG Transplantes trabalhamos com a organização do sistema para a captação, que somente neste semestre chegou a 124 doações, contra 80 de igual período em 2011. Tivemos um aumento da captação de 55,5% e isso preocupa, já que, mesmo com o aumento do número de procedimentos, as doações começam a superar a capacidade de cirurgias. Muitas vezes estamos enviando órgãos para Rio de Janeiro e São Paulo”, afirmou.

 

Segundo Simão Filho, Minas atingiu a marca de 12,7 doadores por milhão de pessoas neste primeiro semestre. No ano anterior, a marca era de pouco mais de oito doadores por milhão. No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, no primeiro quadrimestre de 2010 foi atingida a meta de 13,6 doadores por milhão de pessoas, meta que era esperada para o próximo ano.

 

 

“Aqui no estado devemos alcançar a marca de 15 doadores por milhão no próximo ano. Mas é urgente a implantação de um centro de transplantes no estado, não só para atender a demanda de procedimentos, mas para criar uma política de treinamento”, explica Charles. Segundo o diretor do MG Transplantes, os números do MS apontam para a necessidade de melhoria na rede para as cirurgias de medula óssea e pulmão. “No segundo semestre acredito que a equipe especializada do Hospital das Clínicas realize transplantes de pulmão, que são mais raros devido à complexidade do procedimento.”

 

O coordenador do Sistema Nacional de Transplantes, Heder Murari Borba, disse que o governo federal está atento para a ampliação da oferta de leitos para realização do transplante de medula óssea. De acordo com ele, Minas Gerais está entre os 10 melhores estados do sistema, mas, devido a sua característica com mais de 800 municípios, precisa investir na descentralização das unidades de captação e de execução das cirurgias. “Há uma integração das ações e um bom diálogo com o governo do estado. Estamos apoiando os projetos nesse sentido, como a implantação das unidades chamadas Organização de Procura de Órgãos (OPO), sugerida pelo MG Transplantes”, explicou.

 

 

 

 

 

 

 

EM

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.