segunda-feira, 10 de Setembro de 2012 09:36h Atualizado em 10 de Setembro de 2012 às 09:41h. Gazeta do Oeste

Banda alemã 'Scorpions' se apresenta hoje em BH

A banda alemã Scorpions empreende hoje em Belo Horizonte uma missão ousada: repassar 47 anos de rock’n’roll em cerca de uma hora e meia de show. O início está marcado para 21h.

A banda alemã Scorpions empreende hoje em Belo Horizonte uma missão ousada: repassar 47 anos de rock’n’roll em cerca de uma hora e meia de show. A apresentação marcada para as 21h, no Chevrolet Hall, tem um quê a mais para os fãs, já que o vocalista Klaus Meine anunciou recentemente a aposentadoria do grupo logo após a atual turnê, batizada "Final Sting Tour". "É melhor parar agora do que em uma situação nada boa, com shows tecnicamente fracos ou sem mais nenhuma popularidade. Nenhuma grande banda quer fazer feio perante seus fãs. Queremos subir ao palco sempre como no Rock in Rio de 1985... Por isso tomamos essa decisão", declarou o vocalista à imprensa.

 

Atualmente, o Scorpions é formado pelos músicos Klaus Meine (vocal), Rudolf Schenker (guitarra), Matthias Jabs (guitarra), Pawel Maciwoda (baixo) e James Kottak (bateria).

 


O possível repertório da noite deve incluir hits como "No Pain, No Gain", "Wind of Change", "Still Loving You" e "Rock You Like a Hurricane", além de surpresas e boa parte do repertório do mais recente álbum, "Sting in the Tail".

 

Além de Belo Horizonte, a banda vai tocar em São Paulo, nos dias 20 e 21 deste mês.

 


Nesses 47 anos de carreira, O Scorpions já passou por muitas polêmicas, disputas internas e mudanças na formação. Na lista dos ex-integrantes constam 12 nomes, entre eles o polêmico Herman Rarebell, que foi baterista do grupo durante mais de 20 anos.

 

Recentemente, Rarebell lançou um livro de memórias, intitulado "Scorpions - Minha História em uma das Maiores Bandas de Todos os Tempos", em que narra situações inusitadas do grupo, incluindo as disputas e brigas. Numa entrevista a um site grego, Rarebell colocou pimenta na discussão ao declarar que não gosta dos discos produzidos após sua saída, que se deu em 1995. "Eu realmente os odeio", declarou, mas admitiu que "Sting in the Tail", o mais recente disco lançado pelo grupo e a base da turnê que chega à capital mineira, "é realmente muito bom".

 

Trajetória engajada. Farpas e polêmicas de lado, a história do grupo é marcada por diversos episódios de engajamento político. Durante a turnê "Humanity - Hour 1", uma das mais bem-sucedidas da banda, os músicos tocaram para mais de 150.000 fãs em shows no Brasil, fazendo uma campanha maciça com o Greenpeace para proteger as florestas tropicais do mundo.

 

Foi a primeira banda de rock do Ocidente a se apresentar na então União Soviética, cuja turnê virou o documentário "To Russia with Love". Além de cooperar com instituições beneficentes, o Scorpions faz questão de usar sua visibilidade para se envolver em projetos sociais e shows com mensagens de conscientização por meio da música.

 

A propósito, um dos seus maiores clássicos, "Wind of Changes", apesar de soar como uma balada, tem letra que traz à baila as mudanças na Europa durante o período da Guerra Fria. Foi justamente esta canção a responsável por expandir as fronteiras da banda, isso na década de 1990.

 

Agenda

 

O quê. Show do Scorpions, na turnê "Final Sting Tour"
Quando. Hoje, a partir das 21h
Onde. Chevrolet Hall (avenida Nossa Senhora do Carmo, 230, Savassi)
Quanto. Ingressos a partir de R$ 200

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O TEMPO

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.