terça-feira, 21 de Junho de 2016 16:26h Agência Minas

BDMG apresenta linha de crédito para estimular desenvolvimento regional

Geraminas Social é produto inédito voltado para micro e pequenas empresas localizadas em municípios mineiros com IDHM menor do que a média do Estado

BDMG apresentou nesta terça-feira (21/6) uma linha específica de crédito para empresas localizadas em municípios com Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) menor do que a média do Estado, o Geraminas Social.

O produto é inédito no mercado e visa intensificar a atual estratégia do Banco de reforçar seu papel como indutor do desenvolvimento socioeconômico sustentável de Minas Gerais. No total, mais de 60 mil empresas localizadas em 406 cidades terão acesso à linha de financiamento de recursos próprios do Banco.

 



“A intenção é criar um mecanismo para estimular o desenvolvimento regional de forma direcionada”, diz o presidente do BDMG, Marco Crocco. “É preciso apoiar essas regiões, respeitando suas especificidades, de forma a contribuir para a redução das desigualdades em nosso Estado”, completa.

O diferencial da linha são as taxas atrativas, a partir de 1,70% ao mês, inferiores à média do mercado – que pode chegar a mais de 4%. Os prazos são maiores para quitar o financiamento, podendo chegar a 51 meses.

O público do Geraminas Social é formado por empresas com faturamento anual de até R$ 30 milhões, com mais de seis meses de atividade e instaladas em um dos 406 municípios com IDHM menor ou igual a 0,667 (média IDH M do Estado). De acordo com levantamento do Banco, mais de 60 mil empresas se encaixam neste perfil, notadamente no setor de comércio e serviços.

 



Primeiros financiamentos

Na fase de testes, em que o Banco testou a aderência do produto ao mercado, 125 empresas de 10 territórios de desenvolvimento contraíram financiamentos: Alto Jequitinhonha (31 empresas), Norte (30), Médio e Baixo Jequitinhonha (29), Sul de Minas (12), Alto Caparaó (cinco), Região Metropolitana de Belo Horizonte (cinco), Vale do Mucuri (quatro), Zona da Mata (três), Rio Doce (três), Oeste (duas) e Vale do Aço (uma). Ao todo, foram liberados até agora R$ 3.472.894,00 (três milhões, quatrocentos e setenta e dois mil e oitocentos e noventa e quatro reais).

O primeiro pequeno empresário que obteve financiamento pelo Geraminas Social foi Geraldo de Jesus, da cidade de Itamarandiba, no Alto Jequitinhonha. Ele é um dos sócios da A Criativa, loja especializada em confecção, brinquedos e artigos de presentes para crianças, e financiou R$ 52 mil. “O foco do nosso pedido foi capital de giro, pois a situação financeira está apertada e já tínhamos gasto com uma ampliação recentemente da loja. Precisamos manter o negócio funcionando e este dinheiro veio para nos ajudar neste momento”, declara o empresário.

 

 


Keniely da Silva, da cidade de Brasília de Minas (Norte do Estado), é proprietária da loja Babuska, especializada em roupas para todos os públicos. Ela solicitou o financiamento do Geraminas Social para comprar seu estoque para o outono/inverno. “Com este dinheiro (R$ 5 mil), eu pude investir na loja e comprar mais peças para me preparar para as estações frias”, explica.

Já para João Batista Magalhães, o financiamento foi fundamental para o capital de giro da empresa. Foram R$ 89 mil reais para sua loja, Fascinante Móveis e Eletro, que fica na cidade de Santana do Manhuaçu (Alto Caparaó). “O BDMG faz parte da história de meu negócio. Sempre que termino um contrato eu já faço outro, porque o banco é desburocratizado e possui as melhores taxas do mercado. Se tem um banco que ajuda as empresas e os empresários, este banco é o BDMG”, afirma.

 

 



Acesso fácil e rápido

As empresas interessadas devem encaminhar propostas pela internet (www.bdmg.mg.gov.br) ou pela rede de mais de 300 Correspondentes Bancários do BDMG espalhados pelo Estado. O valor disponibilizado para financiamento pode chegar a R$ 700 mil.

A partir da entrega da documentação ao BDMG, a liberação do crédito é realizada em dez dias, em média. Os recursos do Geraminas Social poderão ser utilizados para capital de giro, compra de matéria-prima, reformas e obras civis, entre outras finalidades. 

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.