quarta-feira, 13 de Novembro de 2013 10:50h

Beneficiamento aumenta acidez e compostos aromáticos do café produzido no Alto Paranaíba

Características eram, até então, exclusivas do caríssimo café queniano, considerado um dos melhores do mundo por sua complexidade, diz a Folha de São Paulo

"Dois cafés com características sensoriais arrojadas, distintas das associadas aos grãos brasileiros, chegam ao mercado para tirar as línguas do marasmo", destaca a Folha de São Paulo. Um deles é produzido na cidade mineira de Patrocínio, localizada na região do Alto Paranaíba.

Graças a um recurso bioquímico, produtores da região conseguiram bebidas com perfil sensorial semelhante ao dos quenianos, considerado um dos melhores do mundo. "Mas agora podemos, com a incorporação da bioquímica aplicada, abrir uma porta para um novo modelo de café brasileiro", afirma um especialista à reportagem.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.