segunda-feira, 28 de Março de 2016 11:27h

Biblioteca Pública Luiz de Bessa inaugura Caixa-Estante em centros prisionais e socioeducativos

Acervos vão beneficiar mais de mil internos na Penitenciária José Maria Alkimin e no Centro Socioeducativo Santa Clara

Com quase cinco décadas completadas em 2016, o serviço de Caixa-Estante, da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa, comporta cerca de 150 livros e envia acervos cuidadosamente selecionados às instituições. O objetivo é garantir o acesso ao livro e à leitura a pessoas que não podem se deslocar até uma biblioteca convencional.
Por meio desta ação, há 47 anos a Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa leva o estímulo à leitura e a conscientização sobre sua importância aos mais diversos destinos, como hospitais, creches, asilos, entre outros.
O serviço, inclusive, acaba de fixar presença em vinte locais, com as recentes inaugurações em um centro prisional e um centro socioeducativo: a Penitenciária José Maria Alkimin, em Ribeirão das Neves, e o Centro Socioeducativo Santa Clara, no bairro Capitão Eduardo, em Belo Horizonte.

 

 

 

 

A Penitenciária José Maria Alkimin, por exemplo, realiza, junto aos detentos, medidas, oferecendo formação de ensino fundamental, médio e superior, ações esportivas, e acompanhamento pedagógico. Nesses processos, a Caixa-Estante é utilizada como medida socioeducativa. Na unidade, a iniciativa vai atender mais de mil presos.
De acordo com a coordenadora do setor Caixa-Estante, Cláudia Ferrari, o incentivo à leitura tem impacto na ressocialização dos presos e internos. “A importância da leitura é a inclusão social. Muitos nunca tiveram acesso a livros e a Caixa-Estante é sempre recebida com muito interesse, o que demonstra que a maioria gosta de ler, o que falta é a oportunidade”, ressalta. A coordenadora também celebra o momento de novas parcerias e os benefícios aos novos e futuros leitores.

 

 


“A leitura desperta a possibilidades de adquirir uma visão crítica e uma visão de mundo mais ampliada. A pessoa bem informada passa a se informar e, consequentemente, passa a questionar, exercer e cobrar seus direitos ativamente. Os resultados são perceptíveis na interação com os presos e internos”, diz.
No Centro Socioeducativo Santa Clara, por sua vez, os internos, com idade entre 14 e 17 anos, têm acesso a ensinos fundamentais, além de acompanhamento e outras medidas de ressocialização. Cerca de 100 internos do local serão beneficiados pela iniciativa.

 

 



Inauguração
Música e contação de histórias animaram as inaugurações da Caixa-Estante nas instituições em fevereiro. A inauguração na Penitenciária José Maria Alkimin contou com apresentação do espetáculo ‘Contos de lá nos cantos de cá’. Na ocasião, a contadora de histórias Aline Cântia e o violonista Chicó do Céu apresentaram um repertório de músicas e histórias tradicionais, literatura e cultura popular de diversos povos.
Já no Centro Socioeducativo Santa Clara, o evento foi comandado por Beatriz Myrrha, que levou histórias para abordagem, de forma lúdica, de temas como valores sociais, ética, honra e responsabilidade.

 

 



Como funciona
Os livros que comportam cada Caixa-Estante são selecionados e trocados periodicamente pela equipe, considerando-se o público da instituição a ser atendida. O setor fornece os acervos e também capacita um profissional da instituição para realizar a mediação de leitura. Esta pessoa auxilia os leitores na escolha de livros, oferece sugestões e promove atividades culturais, como contação de histórias e encontros com autores.

 

 



Pedidos
Para pleitear uma Caixa-Estante a instituição deverá entrar em contato com a Coordenação do Setor de Caixa-Estante da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa, no e-mail cxe.sub@cultura.mg.gov.br ou pelo número de contato (31) 3269-1229.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.