quinta-feira, 7 de Abril de 2016 12:24h

Cafeicultores e Emater-MG se unem no combate ao Aedes aegypti

Medidas de prevenção passam a ser obrigatórias para receber o selo Certifica Minas Café

Para vencer o combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika vírus e da febre chikungunya, é preciso o envolvimento de toda sociedade. E o programa Certifica Minas Café, criado pelo Governo do Estado de Minas para atestar as boas práticas de produção, seguindo padrões internacionais, também está nesta luta. Agora para receber a certificação da propriedade, o produtor precisa adotar medidas de prevenção à ocorrência do mosquito.

“Muitas propriedades estão próximas das cidades ou comunidades. É importante o envolvimento de todos. Como certificação governamental, com responsabilidade social, não podemos nos ausentar deste tema. Além disso, por causa dos noticiários, compradores internacionais podem questionar a possibilidade de contrair doenças durante visitas às fazendas”, explica o coordenador técnico da Emater-MG, Bernardino Cangussu. Desde março, as ações de combate ao Aedes aegypti passaram a fazer parte de uma lista de 102 itens exigidos para  que os produtores consigam a certificação da propriedade.

“Os técnicos da Emater-MG atuam com assistência individual para discutir com os produtores rurais as ações necessárias. É preciso evitar manter na propriedade objetos desprotegidos que possam acumular água, tipo embalagens, garrafas, pneus velhos e implementos agrícolas sem proteção, entre outros focos da doença. A verificação se a propriedade atende aos pré-requisitos do programa é feita por auditoria do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA). Todas propriedades certificadas e em processo de certificação são auditadas”, comenta o coordenador da Emater-MG.

 

 

 

O Certifica Minas Café

O programa Certifica Minas Café prepara o produtor para atender exigências do mercado internacional, seguindo padrões de sustentabilidade, melhorando a forma de atuar na propriedade. “Os produtores que atuam no programa são, em sua maioria, pessoas inovadoras e com espírito de liderança e capacidade de multiplicar as ações de combate ao mosquito”, ressalta.

Atualmente, 214 municípios mineiros participam do Certifica Minas Café. O número de propriedades certificadas é de aproximadamente 1.200, com outras 800 em processo de certificação. O programa é coordenado pela Secretaria de Estado de Agricultura e executado pela Emater-MG, em parceria com o IMA.

Para receber o certificado, o produtor deve procurar a Emater-MG para que a empresa realize um trabalho de assistência técnica na sua propriedade. O produtor terá prazo de cerca de um ano para se adequar as exigências do programa. Após ter realizado as adequações ele é auditado pelo IMA e, se tiver cumprido todos os requisitos exigidos, recebe o certificado e poderá utilizar o selo do Certifica Minas Café.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.