sexta-feira, 22 de Julho de 2016 12:51h Agência Minas

Capacitação aborda organização e segurança de paradas LGBT no interior do estado

Conteúdo da videoconferência será disponibilizado, em breve, para municípios interessados no tema

Ativistas dos direitos LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais), organizadores de movimentos sociais e culturais e policiais militares de 11 municípios mineiros participaram de uma capacitação, nesta quinta-feira (21/7), sobre segurança e organização de paradas LGBT. A ideia foi esclarecer procedimentos que precisam ser cumpridos para a realização de eventos em locais públicos, garantindo mais qualidade, segurança e a ampliação da realização de paradas no interior do Estado.

A capacitação aconteceu por meio de videoconferência e foi coordenada pela Comissão de Monitoramento em Eventos Esportivos e Culturais (Comoveec) da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedpac). Além de técnicos das duas pastas, delegados da Polícia Civil, bombeiros militares e profissionais da prefeitura de Belo Horizonte também foram responsáveis pela capacitação.

 

 

 

Nesta primeira capacitação foram contempladas as cidades Muriaé, Montes Claros, Alfenas, Araguari, Uberaba, Caeté, Pompeu, Mariana, Ipatinga, Ituiutaba e Belo Horizonte. O conteúdo da videoconferência será disponibilizado, em breve, para municípios interessados na capacitação da Comoveec.

O tenente do Corpo de Bombeiros, Rodrigo Alves de Jesus, fez esclarecimentos sobre as etapas para a regularização de um evento em espaços públicos, que varia de acordo com o número estimado de participantes e o local da realização da festa. Ele aproveitou a oportunidade para esclarecer como são classificados os eventos em relação aos riscos. “É preciso haver mais celeridade na regulamentação junto ao Corpo de Bombeiros. Precisamos de certa antecedência para avaliar os eventos e expedir a sua regularização”, lembrou o tenente.

 

 

 

A delegada da Polícia Civil, Cristina Coeli, por sua vez, falou sobre a importância no tratamento com o público das paradas do orgulho LGBT. “É preciso que fique bem claro que todos nós somos iguais, sem distinção de qualquer natureza. Os produtores de eventos como estes devem procurar os veículos de comunicação locais para pedir auxílio na divulgação de conteúdos de conscientização da igualdade de direitos”, defendeu Coeli.

Douglas Miranda, coordenador especial de Políticas de Diversidade Sexual da Sedpac, falou da importância de se respeitar o nome social dos indivíduos durante as abordagens e que todas as esferas do poder público e da sociedade devem garantir que esse direito seja respeitado.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.