sábado, 14 de Fevereiro de 2015 04:37h Atualizado em 14 de Fevereiro de 2015 às 04:44h.

Carnaval gera receita milionária em Minas Gerais

Os cinco dias de folia devem movimentar R$ 193 milhões no Estado

Apesar de boa parte dos municípios da região Centro-oeste terem cancelado o Carnaval, alegando falta de recursos financeiros, de segurança ou perigo de racionamento de água, o Carnaval de Minas Gerais deve gerar uma receita milionária para o Estado. De acordo com o Ministério do Turismo, são esperados 195 mil turistas em Minas, o que vai movimentar R$ 193 milhões na economia mineira.
No ano passado, Minas Gerais recebeu cerca de 190 mil turistas, o que gerou R$ 177 milhões para a economia, de acordo com o Departamento de Estudos e Pesquisas do Ministério do Turismo. Muzambinho, município localizado no Sul do Estado, é uma das cidades que mais recebem turistas durante o feriado prolongado. A cidade, com pouco mais de 21 mil habitantes, é dona do maior bloco carnavalesco de Minas – o Vermes & Cia.
Durante o Carnaval, a população da cidade chega a dobrar. Os setores de hotelaria, alimentícios, imobiliários e transportes são diretamente beneficiados com o crescimento de turistas durante a festa. “Calcula-se que cada folião gaste, em média, R$ 750. O que gera uma receita aproximada de R$ 15 milhões.”, relata o produtor executivo do Carnaval, Pedro Pioli.

 

HOSPEDAGEM
Em busca de uma renda extra, muitos moradores optam por alugar as residências para os foliões. Para a corretora de imóveis, Fernanda Souza, devido à alta demanda é importante que o turista vá para Muzambinho com sua reserva garantida. “As pessoas não costumam deixar para a última hora a questão da hospedagem. Isso porque a demanda é, de fato, muito alta. A procura por hotéis, casas, área de camping e quitinetes acontece desde o ano anterior”, explica.
Segundo a corretora, o preço da locação de casas no município varia de acordo com o tamanho do imóvel e o número de pessoas. “As casas, em média, custam de R$ 3 mil a R$ 5 mil. Mas o valor modifica de acordo com o que o turista procura”. Guaxupé, Cabo Verde, Guaranésia, Monte Belo, Juruaia, entre outras cidades vizinhas de Muzambinho, hospedam parte dos turistas devido à grande procura por hospedagem e a taxa de ocupação dos hotéis da cidade, que gira em torno de 100%.

 

OURO PRETO
O município de Ouro Preto, localizado a pouco mais de 100km de Belo Horizonte, também contribui de maneira significativa na movimentação econômica durante o Carnaval. De acordo com a Secretaria Municipal de Turismo, Indústria e Comércio, cerca de 75 mil pessoas são esperadas durante os cinco dias e cada folião deve gastar, em média, R$ 893,15.
Dentre as 75 mil pessoas que estão sendo esperadas, não estão inclusas aquelas que vão para os distritos. Além disso, os dados levam em consideração as pessoas que ficam hospedadas na cidade e também os foliões que vão a Ouro Preto e retornam para suas cidades no mesmo dia. “O Carnaval deve resultar em R$ 60 milhões em movimentação financeira no município. Ouro Preto está entre os dez maiores carnavais do país e é uma das cidades que mais recebe turistas durante a folia”, analisa o produtor executivo, Victor Hugo.

 

EMPREGOS TEMPORÁRIOS
De acordo com um levantamento realizado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o período do Carnaval é responsável por 72% das contrações em empregos temporários. Este ano, mais de 35 mil contratações devem ser realizadas até o final da estação. O crescimento se deve principalmente pelos setores de alimentação e hospedagem, que abrem mais de 10 mil vagas em todo o país.
Segundo o levantamento, os bares e restaurantes geram 53,4% das vagas ofertadas. Os serviços de transportes de passageiros, agências de viagens, operadoras de turismo, aluguéis de automóveis, atividades culturais, recreativas e esportivas, oferecem, juntos, 5,7% dos empregos temporários. Outro setor que emprega nesse período é o de eventos.

 

 

Crédito: Divulgação

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.