quarta-feira, 21 de Janeiro de 2015 11:10h Atualizado em 21 de Janeiro de 2015 às 11:12h.

Carne de boi está mais cara e de frango mais barata

Pesquisa do Procon Assembleia registra aumento médio de 3,32% no corte bovino e variação de -0,34% em cortes de frango

O Procon da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) realizou pesquisa em 39 açougues de Belo Horizonte. Foram pesquisados 37 cortes, entre bovinos (17 cortes), suínos (11) e de frango (9), sendo que 24 apresentaram aumento no preço médio e outros 13 redução. O levantamento foi realizado nos dias 12 e 13 de janeiro de 2015.

Consulte a pesquisa completa de preços de açougues.

De acordo com a pesquisa, os produtos de origem bovina tiveram aumento geral de 3,32% em seus preços médios, com destaque para a chã de dentro (5,30%,) com os maiores aumentos nas regiões Leste (12,37%) e Barreiro (7,23%); picanha (5,10%), sobretudo nas regiões Norte (10,33%) e Noroeste (8,44%); e alcatra (4,82%), que teve as maiores altas nas regiões Leste (12,97%) e Oeste (6,83%). Nenhum dos cortes bovinos apresentou redução nos preços médios.

Nos cortes suínos pesquisados, houve aumento em seis itens, gerando um reajuste geral de 0,36%. O pernil traseiro sem osso subiu 2,61%, tendo os maiores reajustes nas regiões do Barreiro (12,61%) e Leste (4,41%). A bisteca aumentou 1,94%, com mais variação nas regiões Noroeste (23,09%) e Nordeste (4,95%) da Capital; o pernil com osso aumentou 1,68%, com os maiores aumentos nas regiões Noroeste (5,11%) e Leste (4,56%). Entre os produtos de origem suína houve redução nos cortes de costelinha (-0,82%), com as maiores quedas nas regiões Oeste (-4,37%) e Nordeste (-2,38%); linguiça de lombo (-0,30%), com destaque para as regiões Leste (-7,59%) e Centro-Sul (-4,27%); e filezinhio (lombinho), que baixou 0,25%, sobretudo nas regiões Leste (-3,67%) e Norte (-2,68%).

Dos onze cortes de frango pesquisados, houve aumento em apenas um item: o coração, que subiu 1,37%, com os maiores aumentos nas regiões Centro-Sul e Pampulha (4,28%) e (3,10%) respectivamente. Coxa e sobrecoxa registraram redução de 2,60% , com as maiores quedas nas regiões Oeste (-9,10%) e Barreiro (-6,27%); peito de frango  com osso caiu 1,44%, principalmente nas regiões Norte (-6,29%) e Noroeste (-6,26%). Com esses resultados, os cortes de frango apresentaram variação negativa no período, com -0,34% no custo médio geral.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.